Rubinho: "acho que posso ser campeão"

Rubens Barrichello recebeu, nesta quinta-feira, um belíssimo presente de aniversário da Ferrari, embora um pouco adiantado: a equipe italiana anunciou, no circuito A1-Ring, onde nesta sexta-feira começam os treinos para o GP da Áustria, a renovação de seu contrato até o fim de 2004. Ele completa 30 anos dia 23. "Acho que posso ser campeão na Ferrari, apesar de muitas pessoas acreditarem não ser possível."A notícia da permanência de Barrichello na Ferrari não surpreende. O que não se esperava era a extensão do compromisso: dois anos. "Jean Todt (diretor esportivo), Ross Brawn (diretor-técnico), Rory Byrne (chefe de projetos), Paolo Martinelli (responsável pelos motores), Michael Schumacher, todos têm contrato até o término da temporada de 2004. Agora eu também, formamos uma família, e estou orgulhoso", declarou."Isso mostra que o namoro não é só entre eu e a Ferrari, mas entre a Ferrari e eu também." O piloto definiu a informação de que iria para a Toyota como "clara invenção." Tudo se resolveu de forma muito rápida. "Depois do GP da Espanha treinei em Mugello e em seguida fui a Fiorano. Praticamente em uma hora nos entendemos." Até então não havia mantido nenhuma conversa com Todt sobre a renovação do contrato, disse. "Os termos do compromisso são exatamente os mesmos do atual. Tenho de deixar algumas coisas acontecerem", falou, confirmando, portanto, que a Ferrari manterá a política de dar preferência a Michael Schumacher.Apoio - "Sendo número 2 ou 3 no time, muita gente gostaria de estar no meu lugar." Barrichello deve receber pelos dois anos entre US$ 10 e US$ 12 milhões. O piloto alemão comentou ter "apreciado muito" quando a equipe lhe contou que Barrichello permaneceria na Ferrari, como se não soubesse e se não tivesse interferido pessoalmente na escolha. "Ele atravessa ótimo momento, estamos bastante próximos, por que mudar nossa formação? Não vejo nenhum outro piloto que possa fazer o que ele faz." Schumacher classificou Barrichello como "ótimo companheiro de equipe" e definiu o seu trabalho como "fantástico." Até o eterno desafeto de Barrichello, Ralf Schumacher, da Williams, saiu em sua defesa nesta quinta-feira: "Não sou fã dele, todo mundo sabe, mas é inegável que o que fez nas últimas corridas mostra que ou ele melhorou muito ou o meu irmão piorou muito."O próprio Ralf lembrou que Schumacher copiou o acerto encontrado por Barrichello para ajustar o modelo F2002 aos circuitos de Ímola e de Barcelona. Sobre isso, Barrichello explicou: "O F2002 é mais difícil de ser ajustado, mas uma vez encontrado o acerto, ele é mais fácil de ser guiado, sai menos de frente que o carro de 2001."Barrichello também elogiou Schumacher, ao contar que um argentino lhe pediu para impedir o companheiro de bater o recorde de cinco títulos mundiais de Juan Manuel Fangio. "Disse-lhe que Michael irá não só superar Fangio como se tornará o primeiro em tudo na Fórmula 1." Parte da imprensa, em especial a inglesa, desejava saber, nesta quinta-feira, as razões de estar tão competitivo, ao menos nas sessões de classificação. "Creio que aprendi ser sempre possível tirar mais do carro. Até o ano passado eu acreditava que havia atingido o máximo. O Michael é fantástico nesse aspecto."Apesar de ainda faltar dois anos e meio, a pergunta que já está no ar é: o que acontecerá na Ferrari com o término do contrato de seus principais dirigentes e de seus pilotos, no fim de 2004. Barrichello abordou o tema: "Não dá para imaginar, está muito longe. Mas não creio que todos saiam de uma vez."O fato de a Ferrari ter assinado com Barrichello também para 2004 pode ser um indicativo de que Schumacher não encerrará sua carreira ao término dessa temporada. O mais lógico seria se pensar que a Ferrari, com a iminência da saída do alemão a partir de 2005, começasse a preparar alguém para substituí-lo um ano antes, em 2004. Este é o motivo de muita gente da Fórmula 1 surpreender-se com a renovação do contrato de Barrichello por dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.