Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Rubinho diz que sabe suportar pressão

"Nasci para ser piloto. E um dos meus maiores sonhos é vencer em Interlagos?. A frase de Rubens Barrichello durante uma entrevista coletiva, nesta quinta-feira, resume o bom momento do vice-campeão mundial. É com essa confiança que o brasileiro vai correr domingo pela vitória inédita no GP Brasil de Fórmula 1 - os treinos começam nesta sexta-feira.Depois de 11 anos disputando a maior categoria do automobilismo mundial, Rubinho acha que nunca esteve com uma "energia tão positiva" e tão bem preparado para vencer em Interlagos. "O momento chave em minha carreira foi aquele em que me tornei mais frio no dia-a-dia. Não tenho vergonha de chorar no pódio, que é um momento de emoção pura. Mas em outros não me deixo influenciar pelas pressões externas", revelou o piloto brasileiro. "Percebi que deixar as emoções de lado me faz um piloto melhor."Aos 32 anos, Rubinho garante: "Hoje me sinto mais preparado e a energia positiva é canalizada para eu acertar meu carro e mandar ver. Acima de tudo, meu ganho foi em relação a mim mesmo. É o aspecto mental que me faz ser mais rápido e eficiente."Acostumado a vencer, Michael Schumacher disse não ter nenhum conselho para dar ao companheiro de equipe para controlar a ansiedade: "Acho que o Rubens tem bastante experiência para que ninguém diga nada a ele. Sei que é um de seus sonhos vencer em casa. Ele chegou muito perto no ano passado e tem tudo para conseguir desta vez."O alemão teve paciência para responder se achava que a Fórmula 1 está chata porque só ele ganha. "Quem diz isso com certeza não são os verdadeiros torcedores de Fórmula 1. É uma pena que algumas pessoas não considerem alguns pilotos bons, como eu os considero. Quando perco, parece que não sou tão bom. E quando ganho, os outros é que não são tão bons para ganharem de mim", disse Schumacher.Problemas - Sobre os defeitos do autódromo de Interlagos, os dois pilotos da Ferrari concordam que o pior está fora da pista: os banheiros. Mas Rubinho também falou das ondulações."Desde 1993 corro em Interlagos e convivo com o problema de ondulação na pista. Tem alguns trechos críticos, como o Laranjinha. O (Felipe) Massa passou lá de bicicleta e já sentiu. Imagina com um carro de Fórmula 1...", contou Rubinho.Futuro - Apesar de ainda faltar o GP Brasil para acabar o campeonato de 2004, os pilotos da Ferrari e a equipe já estão de olho na próxima temporada. "Claro que temos pontos fracos, sempre precisamos melhorar. O importante é que a gente enxergue isso e conserte o erro. O dia em que você acha que está realmente mais rápido é aquele em que você será derrotado", disse o heptacampeão mundial Schumacher.Visita - Depois da entrevista coletiva, Rubinho e Schumacher foram de helicóptero ao Salão do Automóvel. No estande da Fiat, o alemão autografou o Fiat Stilo de número 001 (de uma série de 500), que leva seu nome. O automóvel foi doado à Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) e será leiloado com renda revertida ao programa Criança Esperança.Schumacher e Rubinho ainda passaram no estande da Ferrari no Salão do Automóvel. Em meia hora de visita, os dois mobilizaram mais de 300 pessoas que visitavam a exposição. E precisaram de mais de 20 seguranças para escoltá-los de um lado para o outro do local.

Agencia Estado,

21 de outubro de 2004 | 19h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.