Rubinho e Massa: decepção na Malásia

Não daria para repetir o ótimo segundo lugar na Austrália, mas a sexta colocação parecia certa. O comentário é de Rubens Barrichello, que neste domingo abandonou o GP da Malásia, a 17 voltas do fim, por já não ter pneus traseiros. "Eu vinha num bom ritmo, mas quando cheguei no Mark Webber (Williams), meu carro começou a sair de traseira. Permaneci ainda umas 15 voltas na prova até antecipar meu segundo pit stop (35ª volta de um total de 56)."Esse período em que o conjunto traseiro escapava-lhe o controle acabou por destruir os pneus traseiros. "Na parada nos boxes os mecânicos viram um pedaço de borracha do pneu de alguém (Kimi Raikkonen, cujo pneu traseiro direito soltou pedaços) no meu aerofólio traseiro, o que reduziu a capacidade do carro gerar pressão aerodinâmica." Isso teria causado a súbita tendência de derrapar com as rodas traseiras, segundo explicou.Nem todos, no entanto, acreditaram na bem elaborada história de Rubinho, da Ferrari e da Bridgestone para salvaguardar a marca japonesa. O que todos viram foram os seus pneus completamente lisos, acabados quando entrou no box, sem a menor condição de prosseguir na corrida, até por uma questão de segurança, provavelmente motivado pela pouca eficiência dos pneus Bridgestone sob o calor de 38 graus de Sepang e mais de 50 graus do asfalto.Desabafo - Felipe Massa era a própria decepção depois da prova. Sexta-feira havia sido o mais rápido e neste domingo lutou para levar sua Sauber à décima colocação. "Comparado com meus tempos de classificação, o ritmo de corrida não foi ruim, o problema é que os nossos adversários estão bem mais velozes."Disse ainda, em tom de desabafo: "Na Austrália eu ultrapassei o Jarno Trulli (Toyota) e aqui ele quase me dá uma volta, é um absurdo". Seu companheiro, Jacques Villeneuve, errou na freada do fim da reta, na 26.ª volta e parou na caixa de brita.Deve fazer do GP de Bahrein, dia 3, sua prova de tudo ou nada na Fórmula 1. Peter Sauber, sócio da equipe, falou que o time redobrará esforços para compreender os problemas do modelo C24 que, em princípio, parecia muito rápido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.