Rubinho fala em lutar pelo título

O GP da Alemanha, 12ª etapa do Mundial de Fórmula 1, começa oficialmente nesta sexta-feira, com os primeiros treinos livres e a pré-classificação. Mas desde hoje, parte importante da atenção dos torcedores e da própria imprensa está sobre Rubens Barrichello, grande sensação da corrida anterior, o GP da Grã-Bretanha. "É incrível como nesse mundo não há meio termo. Ou você é um fenômeno ou um merda", afirmou Rubinho nesta quinta-feira, ao comentar os momentos difíceis vividos antes da vitória espetacular em Silverstone e o que está acontecendo com ele agora.Rubinho não escondeu a mágoa ao conversar nesta quinta-feira com os jornalistas, em Hockenheim. "Tive enorme prazer ao ver aqueles que sempre falaram mal de mim terem de rever suas idéias", disse o brasileiro da Ferrai.As ultrapassagens arrojadas que o levaram a vencer na Inglaterra foram vistas e revistas. "Assisti duas vezes o teipe da corrida, enquanto meu pai, umas dez", revelou Rubinho. "Há jornalistas que não acompanham o dia-a-dia da Fórmula 1 e disseram nunca terem me visto ultrapassar alguém antes de Silverstone. Esses caras não entendem nada de Fórmula 1."Depois disso tudo, o brasileiro da Ferrari inicia o GP da Alemanha com um objetivo bem definido: "Vencer a corrida para lutar pelo título mundial. É para isso que estou aqui."E quais as chances de Rubinho? "Nunca estive tão perto e ao mesmo tempo tão longe. As novas regras tornaram bem difícil recuperar os 20 pontos que me separam de Michael Schumacher", admitiu o brasileiro. Afinal, seu companheiro na Ferrari lidera o campeonato com 69 pontos, seguido por Kimi Raikkonen (McLaren), que tem 62, Juan Pablo Montoya (Williams), com 55, e Ralf Schumacher (Williams), com 53. Só depois vem Barrichello, com 49.Nesta quinta-feira, em Silverstone, os outros quatro candidatos ao título também comentaram suas possibilidades de conquista. "Penso que nós cinco temos oportunidade de vencer as corridas porque o desempenho de nossos carros é muito semelhante, de forma que é muito difícil prever o que acontecerá", afirmou Michael Schumacher. "Minhas chances são tão boas quanto as deles, apesar de que tirar sete pontos de diferença hoje não é fácil", disse Raikkonen. "O primeiro objetivo é terminar as provas, vencer quando dá e ser segundo se esse é o máximo que você pode fazer naquele dia", explicou Montoya. "Nosso conjunto técnico tem se mostrado brilhante recentemente. Fui muito rápido nas últimas cinco corridas, portanto penso que nossas chances são boas", afirmou Ralf.Depois de Hockenheim, o calendário terá ainda os GPs da Hungria, Itália, Estados Unidos e Japão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.