Rubinho faz um apelo aos perueiros

Nem as próprias lideranças dos perueiros se entendem sobre a manifestação que pretendem realizar em frente ao autódromo de Interlagos durante o GP Brasil de F1, no domingo. Mas as ameaças já fizeram Rubens Barrichello entrar na história para evitar problemas na prova: "Faço um apelo aos perueiros. Espero que não façam nada no domingo. Isso pode estragar a imagem do País", pediu o piloto nesta quinta-feira. "Existe um compromisso muito grande com as tevês do mundo inteiro e nada pode atrasar a prova. Eles poderiam deixar para fazer o protesto na segunda-feira, que é um dia melhor."Alguns líderes da categoria defendem que o ato seja pacífico e que as peruas fiquem estacionadas em fila indiana nas imediações do autódromo sem causar transtornos ao trânsito e ao público. "Não queremos prejudicar a população, só queremos mostrar ao mundo o descaso da administração da prefeita Marta Suplicy", explicou um dos líderes do movimento, Francisco de Molla Neto, o China.Outra liderança, Luiz Carlos Pandora, é mais radical: "Se preciso, vamos fechar o trânsito e o autódromo poderá se transformar em campo de batalha." Uma assembléia da categoria, nesta sexta-feira, irá definir os rumos do movimento. Os perueiros estão sendo chamados para o evento através de uma mala direta.Embora ainda não tenham definido se irão ou não prejudicar o acesso do público, algumas estratégias já foram definidas. Um grande balão deverá ir ao ar com mensagens atacando a prefeita Marta Suplicy. Os perueiros estarão usando camisetas brancas com dizeres de repúdio ao PT. Deverão ser distribuídos também panfletos.Os perueiros pretendem chegar a Interlagos assim que os portões forem abertos no domingo, por volta das 7 horas. Depois do autódromo, os estádios de futebol estarão na mira dos perueiros como pontos de protesto. Eles estão se rebelando porque não concordam com o cancelamento da licitação para 4.042 perueiros feita na administração do ex-prefeito Celso Pitta.A categoria ainda não decidiu o que fazer com os 100 ingressos que foram comprados para assistir ao GP de Fórmula 1. Inicialmente, a idéia era entrar com três faixas de protesto. O Tribunal de Justiça do Estado negou liminar para que pudessem entrar com as faixas.Se decidirem protestar, os perueiros terão que enfrentar a PM. Aproximadamente quatro mil homens da corporação estão envolvidos no evento, de sexta até domingo. A orientação é a de que não permitam o fechamento do trânsito em hipótese alguma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.