Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Rubinho fica muito atrás de Schumacher

Foi uma das maiores diferenças já estabelecidas por Michael Schumacher em relação a Rubens Barrichello desde que os dois são companheiros de equipe na Ferrari, em 2000. O tempo do alemão para obter a pole position, 1min15s022, é um segundo e 250 milésimos de segundo melhor que o de Rubinho, 1min16s272, para ser o quinto no grid."Não tenho nada a dizer. Não estamos numa Fórmula 1 em que os pilotos se classificam na mesma condição", afirmou Rubinho.A imprensa italiana, que já o havia criticado depois do GP de San Marino, pela pouca competitividade, de novo cercou o piloto brasileiro neste sábado. "A única coisa que eu tenho a dizer é que minha volta não foi ruim." Ele dá a entender que adotou outra estratégia. Deverá parar para o primeiro pit stop depois de Schumacher. A diferença de 1,2 segundo seria explicada pelo maior peso gerado pelo maior volume de gasolina no tanque. Quando lhe é feita a pergunta de forma direta, respondeu: "Vocês aprenderam bem a lição de casa." Não quis revelar, contudo, se os seus pneus são os duros, o que lhe daria menos velocidade, ou os mais moles, que poderiam ter sido escolhidos pelo companheiro. "Só na corrida vocês saberão." A quinta colocação no grid estava dentro do esperado. "Eu saí para um resultado e o Schumacher para outro." Desta vez a BAR ficou abaixo do que a Ferrari imaginava. "Até o ponto do Jenson Button errar ele já era mais lento que o Schumacher." Na sua visão, a estratégia adotada por ele e seu engenheiro Gabriele delle Colle é a melhor dentre as estudadas: "Se eu ganhar amanhã (09) a história irá mudar completamente", afirmou. Depois confirmou que será "muito importante" para Schumacher contornar a primeira curva na frente de Juan Pablo Montoya, da Williams. Os dois dividem a primeira fila do grid. "Vai haver uma luta por posição, com certeza, se o Montoya largar bem." Cristiano da Matta, da Toyota, estava visivelmente chateado com o 11.º tempo deste sábado. "Eu dirigi um pouco acima do limite do carro e acabei perdendo tempo." Sua estratégia é ousada, como explicou: "Optamos por pneus mais rápidos e por largar com o carro um pouco mais leve." Seria fundamental, segundo disse, conseguir uma posição mais avançada no grid. Seu companheiro, Olivier Panis, ficou em 7.º. "Ano passado eu larguei em 13.º e cheguei em 6.º, marquei meu primeiro ponto na Fórmula 1, quem sabe agora repito esse resultado." Felipe Massa, da Sauber, também assumiu o erro por ter se classificado apenas em 17.º. "Cometi um erro na curva 7, perdi tudo lá", afirmou. "Sem dúvida seria uma volta muito boa, pelo menos 4 décimos mais veloz (lhe daria a 12.ª colocação)." Seu carro está bom para a corrida. "Esses pneus nos dão grande constância. Vou procurar atacar desde o começo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.