Rubinho já tem seu jato particular

Como a maioria dos pilotos das grandes equipes, Rubens Barrichello também pode dispor, agora, do seu jato executivo. E que jato! O Legacy, da Embraer. Ele já está com seu novo xodó, no aeroporto de Nevers, próximo ao circuito de Magny-Cours, onde hoje disputa a sessão classificatória do GP da França, 10ª etapa do Mundial de Fórmula 1."É um avião excepcional, mas não é meu não, apenas fiz um acordo com a Embraer para poder utilizá-lo?, disse o piloto da Ferrari, ontem, após fazer o 7º tempo nos treinos livres.Estacionado ao lado do Falcon 2000 de Michael Schumacher, o Legacy personalizado de Rubinho chama a atenção. Pela linha elegante, dimensões - é o maior de todos os aviões de propriedade ou simplesmente utilizados pelos pilotos - e sobriedade da pintura. Na cauda, o logotipo estilizado das letras RB identifica a aeronave."Era uma idéia que estava amadurecendo há dois anos e acabou dando certo??, comenta Rubinho, advertindo: "Tenho um trato com a Embraer de não divulgar os detalhes desse acordo.??Sabe-se que ele irá explorar o Legacy pelo prazo de cinco anos e depois, se desejar adquiri-lo, nova negociação terá de ser feita. Hoje o modelo à disposição do piloto é a versão executiva, cujo preço final ao consumidor é de US$ 22,45 milhões. Rubinho dá a entender que a exposição do Legacy ao universo da F-1 é uma forma de retorno do acerto com a Embraer. Percebe-se nele um grande entusiasmo com o novo brinquedo: "É um avião incrível, pode acomodar bem 13 pessoas??.Antes, Rubinho fazia o fretamento de pequenos jatos, em algumas ocasiões associado a outros pilotos, para dividir as despesas. Ele não deverá regressar ao Brasil com o Legacy, apesar de sua grande autonomia. "Será muito útil nos meus deslocamentos na Europa. Às vezes deixamos um país no domingo à noite para já na terça pela manhã estarmos treinando em outro, bem distante. Dispor de um jato executivo é uma necessidade e não um luxo para os pilotos de equipes que treinam toda semana, como a Ferrari?, explicou o brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.