Rubinho luta pela atenção da Ferrari

Rubens Barrichello foi claro na entrevista coletiva que concedeu nesta terça-feira em São Paulo, sem usar, porém, um tom crítico. "Não tenho dúvida de que o meu equipamento e o do Michael Schumacher é o mesmo, mas tenho lutado por mais atenção na Ferrari", afirmou o piloto brasileiro.A prioridade na Ferrari é Schumacher, mas Rubinho acredita que cada vez mais conquista seu espaço na equipe. "A Ferrari na época do Eddie Irvine (seu antecessor) era outra. Sinto orgulho de mudar essa história, com nossas conquistas, e essa mudança ainda está ocorrendo, embora não tenha chegado ao ponto ideal", avaliou Barrichello. Segundo Rubinho, seu sucesso nas últimas provas - venceu na Itália e na China -, desde que Schumacher garantiu antecipadamente seu 7º título mundial de Fórmula 1 - na Bélgica -, é uma prova disso. "Depois do título do Schumacher, este ano, a equipe relaxou um pouco e recebi mais atenção. Era o que precisava, as energias ficarem divididas", disse o brasileiro. "Espero que no ano que vem continue assim."Essa situação lhe dá ainda mais esperanças de conseguir uma vitória no GP Brasil, que acontece domingo, em Interlagos. "Se chegou a minha vez de vencer, só Deus sabe. Agora, não vim aqui apenas para subir no pódio. Depois de Monza e Xangai, a moral está lá em cima, será como jogar em casa no futebol", avisou Rubinho. Está no sangue - Além de falar das disputas internas da Ferrari, Rubinho voltou a comentar sobre a visita de seu filho Eduardo, de apenas 3 anos, a Interlagos. Ele levou o garoto para conhecer o autódromo na segunda-feira e ficou animado com sua empolgação."Eu nunca tive a chance de sentar na Lotus do Ayrton, o Eduardo já. E a mãe ainda acha que ele vai jogar golfe quando crescer. Os olhos deles até brilhavam dentro da Lotus", revelou Rubinho, lembrando que o filho pôde entrar no carro que Senna usou no campeonato de 1986 e que está exposto em Interlagos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.