Rubinho, mais uma vez, ficou no quase

Desde que Michael Schumacher conquistou o título, na Hungria, Rubens Barrichello não precisou mais correr em função do companheiro. No GP dos Estados Unidos, neste domingo, pela primeira vez, o carro reserva estava ajustado para ele. A explicação é sua: "Na Bélgica não fui bem por uma série de razões, mas em Monza e aqui em Indianápolis, neste domingo, cheguei bem perto de vencer." Diante da quinta colocação no grid, Rubinho comentou que a melhor opção seria parar duas vezes, "a fim de poder ultrapassar os que estavam à minha frente."Foi o que fez com competência, a exemplo do trabalho realizado no GP da Itália. "Não posso falar em frustração, mas talvez em raiva." Quando Rubinho deixou os boxes, depois da segunda parada, na 49ª volta de um total de 73, conseguiu sair na frente de Michael, segundo colocado. Mika Hakkinen, o líder, tinha uma vantagem de 6,1 segundos. A partir daí, Rubinho impôs um ritmo espetacular e a cada passagem se aproximava do finlandês. "Conseguia tirar cerca de meio segundo por volta." Na 61.ª, a diferença foi a menor entre ambos, 2,2 segundos."Comecei a sentir o motor falhar (na 68ª volta) e nem cheguei a pensar em tirar o pé e chegar em quarto ou quinto, queria era ganhar", afirmou o piloto da Ferrari. "Daqui a um pouco passa. Na realidade, a melhor coisa da minha vida aconteceu semana passada." Dia 23 nasceu Eduardo, seu primeiro filho.Rubinho não treina mais este ano. Neste domingo ele embarcou de volta para São Paulo a fim de passar a semana com a esposa, Silvana, e Eduardo. Domingo embarca para o Japão, para o encerramento da temporada, dia 14, em Suzuka. Suas chances de ficar em segundo no campeonato diminuíram bastante com o abandono na prova de Indianápolis. Enrique Bernoldi, da Arrows, correu bem. No fim, terminou em 13.º. "As possibilidades de renovarmos seu contrato são boas", afirmou neste domingo Daniele Audetto, da Arrows.A escuderia terá motor Ford e um carro projetado pelo engenheiro Sergio Rinland, o responsável pelo bom modelo C20 da Sauber este ano. Uma nova geração de pilotos brasileiros começa a se aproximar da Fórmula 1. Na terça, quarta e quinta-feira Felipe Massa treinará com o carro da Sauber em Mugello, na Itália. Se for tão constante quanto veloz a vaga no time suíço deixada por Kimi Raikkonen, contratado pela McLaren, será sua. E em Barcelona, Antonio Pizzonia, campeão britânico de Fórmula 3 no ano passado e vencedor da etapa de Hockenheim da Fórmula 3000 este ano, fará três dias de testes, quarta, quinta e sexta-feira, para a Williams, no Circuito da Catalunha.Nos treinos do Estoril, semana retrasada, o piloto do Amazonas deixou excelente impressão à equipe. Ele pode ser o segundo piloto de testes da Williams em 2002, que tem intenso programa de treinamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.