Rubinho pode ser vice-líder amanhã

Se o Conselho Mundial da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) confirmar amanhã, em Paris, a penalização que a maioria dos profissionais da Fórmula 1 dava como certa domingo, em Nurburgring, antes da largada, Rubens Barrichello assumirá a vice-liderança do Mundial. A hipótese mais aceita, ainda que tudo possa acontecer, é que Michael Schumacher terá 10 segundos acrescentados ao seu tempo final de corrida. Com isso, Barrichello passaria a ser o vencedor do GP da Áustria e o alemão ficaria em segundo. Às 9 horas (4 horas de Brasília), o presidente da FIA, o inglês Max Mosley, começará a expor aos representantes dos 19 países convocados pelo Conselho - o Brasil não está na lista, ao contrário da Alemanha -, mais Bernie Ecclestone, presidente da Formula One Administration (FOA), Yvon Leon, da Federação de kart, Gabriele Cadringher e Marco Piccinini, dois outros diretores da FIA, o ocorrido na prova de Spielberg, dia 12 de maio. Eles estarão reunidos no Hotel Crillon, na capital francesa. Depois de Mosley apresentar os fatos, Michael Schumacher, Rubens Barrichello e Jean Todt, diretor-esportivo da Ferrari, expõem separadamente suas justificativas. A seguir, o Conselho volta a se reunir e decide a sentença. "Prometo divulgá-la à imprensa amanhã mesmo", disse hoje a assessora de comunicação da FIA, a francesa Agnes Kaiser. Normamente a entidade anuncia suas decisões no dia seguinte ao da reunião. Pelo que os dirigentes de várias equipes diziam antes do início do GP da Europa, a FIA teria reconsiderado a hipótese de fazer valer para efeito final de resultado do GP da Áustria a volta anterior à da bandeirada. Alguns times protestariam alegando que não têm nada a ver com o que a Ferrari fez e poderiam ser prejudicados, se não agora, em outras oportunidades que a FIA usar o mesmo critério. Não há jurisprudência para esse "julgamento." A sentença deverá inspirar o Conselho em situações semelhantes. Por isso a alternativa de acrescentar 10 segundos ao tempo total de Schumacher ganhou muita força, por isentar os demais. Se ela ocorrer, ainda que depois de Nurburgring haja um fato novo, Barrichello somaria 10 pontos na etapa de Spielberg, por ser declarado o novo vencedor, e não 6 como foi o caso, por ter sido segundo. Ele iria então para 30 pontos (26 + 4), a mesma pontuação que Ralf Schumacher, da Williams, somou até agora para ser o vice-líder do Mundial. Mas se Barrichello ganhar mesmo mais 4 pontos, na realidade assumirá o segundo lugar da classificação porque, nesse caso, seriam duas vitórias dele diante de apenas uma de Ralf, primeiro critério de desempate. Tudo depende do que decidir o Conselho. Outras hipóteses de penas para a Ferrari aventadas no GP da Europa: a classificação da corrida na Áustria ficaria como está, mas os 10 pontos obtidos de Schumacher seriam retirados. Ou ainda: não muda o resultado e a FIA tira da Ferrari os 16 pontos conquistados para o campeonato dos construtores. Falou-se até que a classificação seria mantida e que o alemão largaria 10 posições atrás da que conseguir no grid do GP da Grã-Bretanha, dia 7, próxima etapa da temporada. É bom nunca esquecer que, depois do "comportamento exemplar" da Ferrari em Nurburgring, a história pode acabar com um desfecho do tipo..."e todos foram felizes para sempre", ou seja, a escuderia italiana levar apenas um puxão de orelhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.