Rubinho: vitória para calar os críticos

Foram seis grandes ultrapassagens, mostrando muita competência e desempenho de um verdadeiro campeão. Rubens Barrichello ganhou de forma excepcional o GP da Grã-Bretanha de Fórmula 1, neste domingo, em Silverstone. E ficou tão emocionado com a atuação na prova que até lembrou do seu ídolo. "Tenho certeza de que hoje ele (Ayrton Senna), esteja onde estiver, ficou de pé para ver minha corrida", disse o piloto brasileiro da Ferrari.Como aconteceu nas suas outras cinco vitórias na Fórmula 1, Rubinho vibrou bastante e procurou responder aos críticos de plantão. "Depois da prova no Canadá, onde bati na primeira volta, e na França, quando rodei no início também, fui muito criticado", admitiu. "Sou do tipo de tentar e não de sentir-me feliz por estar atrás. Algumas vezes funciona, outras não. Espero que agora as pessoas calem a boca." A vitória exigiu bastante de Rubinho. Apesar de estar na pole, ele perdeu duas posições logo na largada. "Jarno Trulli (Renault) demorou para alinhar e meus pneus esfriaram lá, parado. Por isso, ele e o Kimi Raikkonen (McLaren) me passaram", explicou o brasileiro.Mas a Ferrari de Rubinho estava muito bem acertada para os velozes 5.140 metros de Silverstone. "As ultrapassagens só foram possíveis porque o carro estava perfeito, com uma enorme capacidade de tracionar", revelou o piloto.Os melhoramentos na aerodinânica e no motor, além dos novos pneus produzidos pela Bridgestone, permitiram a equipe italiana se equiparar novamente com a Williams, depois de duas derrotas seguidas no campeonato. "Trabalhamos na evolução do carro e dos pneus na direção certa. Daqui para a frente voltaremos a ser muito fortes de novo", previu Rubinho.Restam cinco etapas para o encerramento do campeonato e agora, Rubinho tem 49 pontos, na quinta colocação, diante de 69 de Michael Schumacher, 62 de Kimi Raikkonen, 55 de Juan Pablo Montoya e 53 de Ralf Schumacher. "Não quero falar nada sobre estar ou não na briga pelo título, porque senão vão dizer que eu quero bater Schumacher", disse o brasileiro.Percalços - Na 12ª volta da prova deste domingo, um torcedor vestindo roupa típica escocesa invadiu a pista na Hangar Straight, o ponto mais veloz do traçado, onde os carros estão em sétima marcha, próximos já dos 300 km/h. "Fiquei sabendo só agora (depois da bandeirada) que essa foi a razão da entrada do safety car. Como ganhei em Hockenheim, em 2000, quando um maluco também entrou no meio da corrida, espero que as pessoas não achem que ele é brasileiro", brincou Rubinho. O indivíduo, não identificado pela polícia, foi levado para uma cadeia em Northampton.Na realidade, o safety car até atrapalhou Rubinho, porque a maioria dos pilotos, 12 dos 20, antecipou o pit stop para essa hora e na confusão dos boxes, ele caiu de segundo para oitavo. "Lá em Hockenheim o maluco ajudou, aqui jogou contra. Penso que nenhuma outra vitória baterá, em emoção, aquela de 2000, embora esta aqui tenha sido a das ultrapassagens mais difíceis", lembrou Barrichello.Elogios - A atuação de Rubinho foi aplaudida por todos em Silverstone. "Hoje, não importa quem fosse, Michael Schumacher por exemplo, ninguém bateria Rubens", afirmou o ex-piloto Niki Lauda. Até Michael Schumacher, longe da disputa pela vitória na Inglaterra, se rendeu ao companheiro de Ferrari. "Ele foi perfeito, realizou manobras fantásticas, uma a uma. Estou contente por ele, mereceu esta vitória."

Agencia Estado,

20 de julho de 2003 | 16h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.