Laszlo Balogh / Reuters
Laszlo Balogh / Reuters

Rússia pretende usar 'grid girls' em sua prova na Fórmula 1

Primeiro-ministro do país diz que é errado utilizar crianças, que teriam medo de coisas mecânicas

Estadão Conteúdo

05 de abril de 2018 | 12h34

A Rússia quer retomar o desfile das "grid girls" na Fórmula 1 no GP que vai organizar na temporada 2018, em desejo anunciado apenas alguns meses após a categoria interromper a até então tradicional prática, que era realizada antes da largada das provas.

+ Sauber contrata ex-Ferrari para ser chefe de aerodinâmica

+ Fernando Alonso se mostra otimista com a McLaren: 'É hora de voltarmos ao topo'

O primeiro-ministro da Rússia, Dmitry Kozak, também responsável pela organização da prova a ser realizada em setembro, disse que quer garotas "lindas" no grid. "Se conseguirmos chegar a um acordo, vamos reviver essa tradição", disse Kozak em comentários divulgados pela agência de notícias russa Interfax. "Além disso, nossas garotas são as mais bonitas".

O diretor de operações comerciais da Fórmula 1, Sean Bratches, disse em janeiro que a prática de usar "grid girls", modelos pagas uniformizadas, não era "apropriada". Seu papel então passou a ser ocupadas por crianças, os "grid kids", jovens pilotos de clubes de automobilismo locais.

Kozak discordou da mudança. "É errado nas corridas usar crianças, que estão com medo de coisas mecânicas. Você precisa de adultos. Em todo o esporte a motor, garotas anunciam os carros e isso soa harmonioso e bonito", afirmou.

Até a última temporada, as garotas iam para o grid pouco antes da corrida e ficavam na frente do carro de cada piloto, segurando o número do competidor. As mulheres também iam ao pódio após a corrida.

O GP da Rússia, que vai ser disputado pelo quinto ano consecutivo, está previsto para ser realizado em 30 de setembro, no circuito de Sochi.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.