Salvador também quer Indy em 2002

A Cart, entidade que organiza a Fórmula Indy, quer decidir até o meio do ano quando e onde será disputa a etapa brasileira do ano que vem. "Não vamos nos permitir aquela situação de novo", disse o vice-presidente de operações, Tim Meyer, referindo-se ao cancelamento da Rio 200 no início deste ano, às vésperas da corrida, por causa de desentendimentos entre os organizadores e a Prefeitura do Rio. Émerson Fittipaldi, que detém os direitos da corrida brasileira, esteve em Long Beach, onde ontem foi disputada a segunda etapa da temporada, para discutir o assunto com a Cart. E deixou uma bom impressão. "Não há dúvida de que há várias pistas internacionais em condições de receber a prova", afirmou Meyer, que não abre mão da taxa de cerca de US$ 4 milhões que causou a discórdia da Rio 200, quando o prefeito César Maia se negou a pagá-la. Além de Curitiba e Goiânia, Meyer também considera a hipótese de realizar a corrida em Salvador, onde seria montado um circuito de rua, segundo a última hipótese que surgiu. Mas faz uma ressalva: "A logística de qualquer prova de rua é bem complicada. Veja aqui (em Long Beach) o que é preciso fazer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.