Schumacher deixa claro: "Aqui ganho eu"

Michael Schumacher deixou bem claro, hoje, no circuito de Nurburgring, onde amanhã começa a ser disputado o GP da Europa: "Aqui não é Mônaco. Esta pista tão tem as mesmas particularidades, por isso somos de novo os favoritos porque a Ferrari tem o melhor carro." E a onda de rumores sobre mudanças de pilotos nas equipes, já este ano e na próxima temporada, continua agitando a Fórmula 1. Hoje a Toyota desmentiu, oficialmente, que Cristiano da Matta ou Olivier Panis será substituído no GP da Alemanha por Ricardo Zonta. A perda da sexta vitória seguida, na última corrida, em Mônaco, parece ter deixado Schumacher incomodado. Sempre bastante prudente nas declarações, hoje partiu para o ataque. "O traçado é muito bom para a Ferrari F2004, está fazendo frio, estou diante de minha torcida", nossas chances de vitória são mesmo muito grandes." A temperatura não passou de 13 graus e a maior parte do tempo permaneceu entre 11 e 12 graus. Os pneus Bridgestone, da Ferrari, têm-se mostrado mais eficientes que os Michelin, da Renault, BAR e Williams, nessas condições. O vencedor da sexta etapa do Mundial, nas ruas do principado, Jarno Trulli, da Renault, lembrou que as mudanças introduzidas no modelo R24 o deixaram bem mais veloz e constante. "Fui terceiro em Barcelona e em Mônaco larguei na pole position e ganhei a corrida. Não estou tão certo assim (como que respondendo a Schumacher) que ficaremos tão atrás aqui." Jenson Button, da BAR, como o alemão da Ferrari, vê os 5.148 metros do circuito de Nurbugring com melhores olhos ainda que Mônaco, onde foi segundo. "Estou muito confiante que posso conquistar aqui a primeira vitória, minha e da BAR." A corrida deve responder o quanto os dois principais adversários da Ferrari se aproximaram. O que mais mexeu hoje com os profissionais da Fórmula 1 não foi o que pode ocorrer a partir de amanhã, a partir dos treinos livres do GP da Europa, mas o mercado de pilotos. A imprensa inglesa, pródiga em notícias, divulgou que a Williams estaria atrás de Mika Hakkinen, com seus 35 anos, pelo menos cinco quilos a mais gordo e distante do mundo da Fórmula 1 há três anos, quando se aposentou. O finlandês, campeão do mundo em 1998 e 1999, faria, em breve, até um teste com o modelo FW26. Talvez nem o próprio Hakkinen soubesse da história até a ler, hoje, nos jornais da Inglaterra. E ao contrário também do que se dizia, Ricardo Zonta continuará piloto de testes da Toyota, ao menos este ano. Cristiano da Matta e Olivier Panis irão concluir o campeonato. "A Toyota tem consciência de que os problemas enfrentados este ano decorrem da pouca competitividade do seu carro", afirmou Tsutomu Tomita, o presidente da Toyota Motorsport. Já a Mercedes confirmou a demissão do engenheiro Werner Laurenz, que havia sido contratado por um valor bastante elevado. Laurenz era o diretor do programa de motores para a Fórmula 1 da BMW. O fracasso dos motores Mercedes, este ano, levou a montadora a dispensá-lo. A McLaren, bem como a Toyota, estrearão um novo carro no GP da Alemanha, dia 25 de julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.