Schumacher elogia Rubens Barrichello

No primeiro dia de treino conjunto com Rubens Barrichello, hoje em Fiorano, depois do episódio da Áustria, Michael Schumacher aproveitou para elogiar o piloto brasileiro: "Ele é um ótimo companheiro de equipe, muito veloz." Perguntado se a Ferrari deveria renovar o seu contrato, afirmou: "Sim, está fazendo um ótimo trabalho." Nos testes de Valência, também preparatórios para o GP de Mônaco, próxima etapa do Mundial, dia 27, o escocês David Coulthard, da McLaren, estabeleceu um novo recorde, com 1min12s770. Segundo Schumacher, o que se passou nas voltas finais da prova de Spielberg, domingo, foi um problema entre Rubinho e a Ferrari. "Houve mesmo necessidade de alguns esclarecimentos entre ele e a equipe, mas não comigo." Para o alemão, a melhor explicação para o ocorrido na prova veio de Jean Todt, diretor-esportivo da Ferrari, ao dizer que a exemplo das eleições na Itália, domingo, há sempre opiniões diversas em tudo. "A nossa filosofia é distinta da praticada pela McLaren." No time inglês seus pilotos não são obrigados a trabalhar um para o outro, como na Ferrari, em que os companheiros de Schumacher têm de, quando conseguem melhores colocações, cedê-las ao alemão. O campeão do mundo destacou ainda que mesmo se Rubinho o tivesse deixado passar antes, dificilmente conseguiria ultrapassar David Coulthard, o líder da competição. "Eu estava mais veloz, mas só venceria se Coulthard cometesse algum erro." Ao contrário de seus colegas, Schumacher não demonstrou preocupação com o fato de a próxima corrida ser nas estreitas ruas do Principado. Se vários carros não conseguirem largar, como aconteceu na Áustria, a possibilidade de um acidente grave, na largada, é grande. Não há espaço em Mônaco para os carros que vêm atrás desviar dos que estão parados no grid. "Mika Hakkinen também ficou parado na largada no GP do Brasil e na época não era permitido usar ainda o sistema automático de largada", argumentou Schumacher. "No futuro essas coisas não se repetirão. A eletrônica representa um passo adiante na segurança da F-1."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.