Schumacher perde a aura de infalível

Na Austrália foi a escolha errada de pneus, na hora da largada, que o fez classificar-se apenas na quarta colocação. Na Malásia, precipitou-se ao tentar ultrapassar Jarno Trulli, da Renault, e provocou um acidente múltiplo na primeira volta. Acabou punido com um drive-through. Neste domingo, em Interlagos, na terceira etapa do Mundial, cometeu seu terceiro erro seguido, ao rodar sozinho na pista, na 27.ª volta da corrida. O que está acontecendo com Michael Schumacher, um dos maiores pilotos de todos os tempos? Ele não abandonava uma prova do Mundial desde o GP da Alemanha de 2001, há 24 Gps. Tudo o que o alemão conseguiu até agora foram 8 pontos. Diante de 26 do notável Kimi Raikkonen, da McLaren, líder disparado na classificação. De cara fechada como sempre ocorre quando o resultado não lhe agrada, Schumacher afirmou: "Não é o caso de se criar um drama para a diferença que me separa de Kimi, afinal disputamos apenas três provas e o campeonato é longo. Mudar essa situação depende só de nós." Declaradamente o alemão torceu por Giancarlo Fisichella, da Jordan, vencer. "Além de ele merecer como piloto, seria bem melhor para mim quanto ao campeonato." Schumacher recusa-se a admitir que passa por uma crise. "Coincidências desfavoráveis", define. "O resultado de Interlagos não tem nada a ver com o uso ou não do novo carro", afirma Schumacher. "Aqui, tanto Rubens quanto eu poderíamos ter vencido, embora soubéssemos que a etapa do Brasil pudesse ser difícil para nós." Ele se referia à questão dos pneus, em que apesar de ter vencido ano passado, os pneus Michelin mostraram-se mais eficientes no circuito. A Ferrari corre com Bridgestone. O alemão demonstrou desapontamento com o que se passou com Rubens Barrichello. "É a segunda vez que abandona quando está liderando. Estou chateado." Sobre o acidente na 27.ª volta, de um total de 53 que teve a corrida, Schumacher falou: "Meu carro aquaplanou. Acontece." Depois explicou em detalhes o que aconteceu: "No local onde vários pilotos escaparam, havia uma trilha com menos água e não era fácil vê-la. Se você saísse alguns centímetros dela escapava mesmo." O choque contra a barreira de pneus não lhe causou nada fisicamente. "A traseira amorteceu bem o impacto." A decisão de começar a corrida foi correta na sua avaliação. "As condições era difíceis mas não houve nada de irregular nas decisões da direção de prova."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.