Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Schumacher prevê 'mistura explosiva' entre Kimi e Alonso na Ferrari

Ex-piloto prevê uma disputa acirrada entre finlandês e o espanhol

AE, Agência Estado

13 de setembro de 2013 | 10h21

MUNIQUE - Piloto mais vencedor da história da Fórmula 1, Michael Schumacher construiu a maior parte de sua trajetória de sucesso na categoria pela Ferrari. Dono de cinco títulos mundiais com a escuderia italiana, o agora aposentado piloto alemão não escapou de comentar a nova contratação de Kimi Raikkonen por parte da equipe de Maranello. E, ao falar sobre o assunto, ele previu uma "mistura explosiva" formada pelo finlandês com o espanhol Fernando Alonso, que serão companheiros de time a partir de 2014.

"Os fãs de automobilismo podem ter certeza de que será uma grande ''explosão''. A concorrência ficará acirrada. Será emocionante para assistir. A Ferrari com Fernando e Kimi soa como uma mistura explosiva", disse Schumacher, em entrevista ao jornal alemão Bild, publicada nesta sexta-feira.

Raikkonen teve a sua volta à Ferrari oficializada na última quarta-feira, quando a escuderia confirmou que o atual piloto da Lotus irá substituir o brasileiro Felipe Massa a partir da próxima temporada. E o finlandês iniciou a sua primeira passagem pela escuderia italiana ao substituir justamente Schumacher, que deixou a F-1 no final de 2006, antes de voltar atrás na decisão de se aposentador em 2010, quando iniciou a primeira de três temporadas pela Mercedes.

Raikkonen brilhou ao substituir o heptacampeão mundial de Fórmula 1 ao levar o título da categoria logo em sua primeira temporada pela Ferrari, em 2007, e terá ao seu lado o bicampeão mundial Alonso como companheiro e consequente rival direto pelo título em 2014. Na equipe de Maranello, Schumacher foi campeão de forma consecutiva entre 2000 e 2004, antes de Alonso encerrar esse reinado com os títulos de 2005 e 2006, pela Renault.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.