Schumacher promete reação no domingo

Nas últimas quatro etapas do Mundial - Mônaco, Canadá, Europa e França - a Ferrari somou 39 pontos diante de 65 da Williams. A equipe de Michael Schumacher ainda lidera o campeonato, com 103 pontos, mas a Williams já está bem próxima depois das duas dobradinhas nas duas últimas corridas, com 100. Foi para tentar voltar a ser o carro mais rápido da Fórmula 1 que a Ferrari completou 4.252 quilômetros de testes semana passada, visando já a próxima etapa do Mundial, o GP da Grã-Bretanha, domingo em Silverstone. ?Os resultados desses treinos são encorajantes", afirmou nesta segunda-feira Michael Schumacher, da Ferrari, ainda líder entre os pilotos. Com toda certeza Ralf Schumacher e Juan Pablo Montoya, a dupla da Williams, primeiro e segundo colocados nas provas de Nurburgring e Magny-Cours, não imaginavam ser possível não só enfrentar a Ferrari em igualdade de condições como até mesmo com sensível vantagem técnica, como ocorreu nessas corridas. Isso porque a Ferrari arrasou a Williams e todos os demais ano passado. Mas o que a Fórmula 1 está assistindo nas últimas quatro provas é a Williams dando as cartas da competição. Schumacher prometeu reação na entrevista publicada nesta segunda-feira no site da Ferrari destinado à imprensa. ?Temos várias novidades no F2003-GA e há cerca de um mês realizamos excelente teste em Silverstone." A direção da Ferrari deu mais detalhes dos treinos desenvolvidos no Circuito da Catalunha, em Barcelona, com Rubens Barrichello e Luca Badoer, e em Mugello e Fiorano, com Schumacher e Felipe Massa. ?Essa foi a última semana de treinos antes da proibição de seis semanas e trabalhamos em todas as áreas (aerodinâmica, motor, eletrônica, combustível, pneus) com nossos parceiros técnicos", disse Jean Todt, o diretor-esportivo. ?A Bridgestone experimentou interessantes soluções técnicas em seus pneus, com melhoras significativas", comentou Ross Brawn, o diretor-técnico. Há um consenso de que a evolução dos pneus Michelin é a maior responsável pelo crescimento da Williams. O sucesso recente da Williams pode ter acelerado a definição de importante contrato de patrocínio para os próximos cinco anos, num momento em que todos na Fórmula 1 ressentem-se das dificuldades na economia mundial para encontrar investidores. Espera-se na Inglaterra que Frank Williams e a direção da Budweiser anunciem nos próximos dias um contrato de US$ 81,3 milhões.

Agencia Estado,

14 de julho de 2003 | 17h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.