Schumacher sai de férias e não treina

A Ferrari começou o Mundial de Fórmula 1 com tamanha superioridade que Michael Schumacher já tirou alguns dias de férias na Malásia onde aguardará a chegada dos carros para a segunda etapa do campeonato, dia 21 de março. "Umas férias antes da próxima corrida, que deverá ser difícil e tensa, me farão bem", justificou o hexacampeão mundial. As equipes concorrentes admitiram que, depois da prova de Melbourne, terão de trabalhar duro para fazer frente à escuderia ferrarista. Os italianos vivem um excelente momento no automobilismo internacional. E a Gazzetta dello Sport alfinetou as equipes adversárias: "Vocês, supercérebros, acionistas, gerentes e estrategistas dos maiores consórcios automobilísticos do mundo. Enviem alguns de seus gênios a Maranello. Aqui eles poderão aprender como se constrói um carro perfeito". Norbert Haug, da Mercedes, e Mario Theissen, da BMW, deram declarações semelhantes depois da corrida, falando da necessidade de muito trabalho para acompanhar o rítmo das novas Ferrari. "Vamos trabalhar duramente daqui para a frente. No ano passado disputamos o título e, embora possa não parecer por enquanto, nós repetiremos a dose este ano", disse Haug. "Temos muito para fazer", reconheceu Theissen. Ralf Schumacher acha que a Williams tem condições de reverter o quadro em pouco tempo. "No ano passado tínhamos um pepino nas mãos e conseguimos transformá-lo em um carro vencedor. Este ano poderemos fazer de novo. Mas, por enquanto, e com razão, vamos levar umas cacetadas". Sem Schumacher mas com Rubinho Barrichello e Luca Badoer, a Ferrari e outras equipes como a Williams, McLaren e Renault começam amanhã um novo período de testes no circuito de Valência, Espanha. Diversos pilotos de testes substituirão os titulares. Assim, a BAR-Honda escalou o inglês Anthony Davidson enquanto a McLaren contará com o espanhol Pedro de La Rosa. Também o brasileiro Ricardo Zonta será o responsável pelos testes da Toyota. Já a Renault escalou o espanhol Fernando Alonso, terceiro colocado no GP da Austrália. Os treinos terminam na quinta-feira. Mas, nesse dia, apenas as equipes que correm com pneus Michelin participarão do treino já que a fábrica de pneus jogará água no circuito para testar os novos compostos de pneus de chuva. A Ferrari, portanto, que utiliza pneus Bridgestone, não participará do último dia de testes em Valência.

Agencia Estado,

08 de março de 2004 | 17h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.