Schumacher vence; Rubinho é 3º

Michael Schumacher está cada vez mais perto de igualar-se a Juan Manuel Fangio, o argentino que venceu na década de 50 cinco títulos mundiais. Neste domingo, o alemão ganhou o GP do Canadá, no circuito Gilles Villeneuve, oitavo da temporada, e ampliou de 33 para 43 pontos a diferença que possuía para Juan Pablo Montoya e Ralf Schumacher, a dupla da Williams, que neste domingo não marcou pontos. Schumacher soma agora 70 pontos diante de 27 dos dois. "Não é questão de ser pessimista. Não nego que será difícil perdermos o título, mas como há 90 pontos em jogo, nós ainda não o conquistamos." A parte o trabalho excepcional de Schumacher como piloto, ao longo das 70 voltas, sempre veloz e constante, a vitória foi histórica, por tratar-se da 150ª da Ferrari na Fórmula 1, a 40ª do alemão com a equipe, a 59ª na carreira, a sexta este ano em oito provas disputadas. "Dedico essa conquista a todos os que trabalham, dia e noite, e não aparecem, para que nós aqui na pista possamos vencer." A exemplo do ótimo resultado da etapa anterior do campeonato, quando venceu em Mônaco, David Coulthard, da McLaren, terminou em segundo. "Depois de conseguir apenas o oitavo tempo no grid, confesso que não esperava essa colocação." Uma das razões foi a eficiência da sua largada. "Como em Mônaco, nosso sistema automático me permitiu ganhar algumas posições, o que se mostrou decisivo." Rubens Barrichello, companheiro de Schumacher, completou o pódio, em terceiro. "Quando vi o ritmo inicial de Montoya, conclui que surpreendentemente ele faria dois pit stops. Eu teria de ser o mais rápido possível para estar na sua frente quando ele deixasse os boxes, depois da segunda parada", explicou Schumacher, planejado para realizar um único pit stop. A entrada do safety car na corrida, na 14ª volta, o ajudou, porque àquela altura o colombiano já havia aberto quatro segundos e quatro décimos de vantagem e Barrichello, como Montoya organizado para duas paradas, nada menos de oito segundos e oito décimos. "Não compreendi muito bem a decisão de usar o safety car mas sem dúvida ajudou." Ele foi usado para a retirada da BAR de Jacques Villeneuve, estacionada no início da grande reta. A neutralização da disputa fez com que tanto o piloto da Williams quanto Barrichello tivessem sua vantagem anulada. "Nossa velocidade em reta foi excepcional. A nova versão do motor que usamos aqui é sensacional", contou o alemão. No primeiro ponto de verificação das velocidades, antes da curva 6, o alemão foi o mais veloz, 271,8 km/h, seguido por Barrichello, 271,4, Coulthard, 271,2, e Montoya, 268,3. Na edição do ano passado da prova, a maior velocidade nas retas mostrou ser o fator de diferenciação da Williams e acabou por justificar a vitória de Ralf Schumacher. Montoya aproveitou-se do safety car para antecipar seu pit stop. Na 15ª volta ele colocou gasolina no carro e substituiu apenas os pneus (Michelin) dianteiros. O tempo perdido com o safety car e o ritmo mais forte de Schumacher depois da parada do colombiano já deixaram claro que, no final, a vantagem deveria ser do alemão. Montoya ainda tentou um ataque depois da segunda parada, na 50ª volta, quando na 54ª a diferença entre ambos chegou a seis segundos e um décimo, mas duas voltas mais tarde o motor BMW quebrou. "Estava tudo perfeito. O carro, o motor, os pneus, eu me aproximava do Michael, quando de repente perdi potência e encostei na saída dos boxes." Ele não quis conversar com a imprensa durante um bom tempo, tal a sua frustração. O importante da prova é que tanto Montoya quanto o próprio Coulthard, pela proximidade de desempenho com Schumacher, mostraram que Williams e McLaren, bem como a Michelin, sua fornecedora de pneus, se aproximaram do conjunto Ferrari-Bridgestone. Depois da etapa de abertura do Mundial, na Austrália, em que foi terceiro, Kimi Raikkonen, da McLaren, não havia mais terminado nenhuma corrida. Neste domingo, ele quebrou essa série com a quarta colocação. Já Giancarlo Fisichella, da Jordan, que quase sempre se dá bem no circuito Gilles Villeneuve, obteve sua terceira quinta colocação consecutiva. O italiano Jarno Trulli, da Renault, completou os seis primeiros que marcam pontos. Ralf Schumacher foi sétimo. Ele teve problemas com o sistema de reabastecimento e perdeu muito tempo nos boxes. Felipe Massa, da Sauber, concluiu a prova em nono, enquanto Enrique Bernoldi, da Arrows, abandonou ainda na 16ª volta, com problemas na suspensão traseira, depois de um começo de corrida excelente. A próxima etapa do campeonato será o GP da Europa, dia 23, no remodelado circuito de Nurburgring, na Alemanha. Veja a classificação final do GP de Montreal:1 Michael Schumacher (ALE) Ferrari 2. David Coulthard (ESC) McLaren 3. Rubens Barrichello (BRA) Ferrari 4. Kimi Raikkonen (FIN) McLaren 5. Giancarlo Fisichella (ITA) Jordan 6. Jarno Trulli (ITA) Renault 7. Ralf Schumacher (ALE) Williams 8. Olivier Panis (FRA) BAR (a 1 volta)9. Felipe Massa (BRA) Sauber (a 1 volta)10. Takuma Sato (JAP) Jordan (a 1 volta)11. Mark Webber (AUS) Minardi (a 1 volta)12. Nick Heidefeld (ALE) Sauber (a 1 volta)13. Heinz Harald Frentzen (ALE) Arrows (a 1 volta)14. Alex Yoong (MAL) Minardi (a 2 voltas)15. Jenson Button (ING) Renault (a 5 voltas) AbandonaramJuan Pablo Montoya (COL) WilliamsAllan McNish (ESC) ToyotaEddie Irvine (IRL) JaguarMika Salo (FIN) ToyoytaPedro de la Rosa (ESP) JaguarEnrique Bernoldi (BRA) ArrowsJacques Villeneuve (CAN) BARClassificacão do Campeonato, após 8 etapas1. Michael Schumacher 70 pontos .2. Ralf Schumacher 27 .3. Juan Pablo Montoya 27.4. David Coulthard 26 .5. Rubens Barrichello 16 .6. Jenson Button 8 .7. Kimi Raikkonen 7 .8. Giancarlo Fisichella 6 .9. Nick Heidfeld 5 10. Jarno Trulli 4 11. Eddie Irvine 3 12. Felipe Massa 3 13. Mark Webber 2 14. Mika Salo 2 15. Heinz-Harald Frentzen 2Classificação do Mundial de Construtores.1. Ferrari 86 pontos .2. Williams-BMW 54 .3. McLaren-Mercedes 33 .4. Renault 12 .5. Sauber-Petronas 8 .6. Jordan-Honda 6 .7. Jaguar 3 .8. Minardi-Asiatech 2 .9. Toyota 2 10. Arrows-Cosworth 2. Próxima etapa: Grande Prêmio da Europa, dia 23 de junho, no circuito de Nurburgring (Alemanha).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.