Schummy: chances crescem na França

O cenário que pode dar a Michael Schumacher seu quinto título mundial, domingo, é bastante distinto do experimentado pela Fórmula 1 na última etapa da temporada, em Silverstone, Inglaterra, dia 7. Faz forte calor na região central da França, onde a partir de sexta-feira começa a ser disputada a 11.ª prova do campeonato, e o asfalto da pista do circuito Nevers-Magny-Cours é o mais uniforme de todos. Enquanto a Ferrari prepara uma festa, a Arrows anunciou nesta terça não ter certeza da sua participação na corrida, por falta de condições financeiras.O clima de 14 graus e chuvoso em Northamptonshire, onde acha-se o traçado inglês, contrasta com os 30 graus e céu limpo verificados no início da noite desta terça na Borgonhe, região do circuito francês. Outra característica do GP da França desde que passou a ser realizado nos 4.251 metros de Magny-Cours é a sua capacidade de selecionar os modelos de carros mais bem concebidos aerodinamicamente, em razão de várias de suas curvas serem longas e de elevada velocidade. Esse fator fortalece ainda mais o favoritismo de Michael Schumacher para vencer a prova e, dependendo da colocação de Rubens Barrichello, companheiro de Ferrari, e Juan Pablo Montoya, da Williams, igualar-se a Juan Manuel Fangio como o maior vencedor da história da Fórmula 1. A Ferrari F2002 é o melhor conjunto aerodinâmico da Fórmula 1.Nesta terça, o diretor-esportivo da Ferrari, o francês Jean Todt, demonstrou não estar preocupado com relação ao local onde o título será definido. "O importante é não estendermos a luta até Suzuka porque já tivemos experiências ruins naquela pista." Schumacher, em 1998, e depois Eddie Irvine, no ano seguinte, perderam para Mika Hakkinen, da McLaren, em Suzuka, os duelos pela disputa do campeonato. Mesmo que os resultados não garantam domingo a vitória de Schumacher, ainda assim ele pode estabelecer um novo recorde: o de piloto que mais vezes somou pontos seguidamente. Desde o GP da Hungria do ano passado o alemão da Ferrari classifica-se sempre entre os seis primeiros, portanto há 15 etapas. Ele igualou na Inglaterra a marca de Carlos Reutemann, argentino da Williams que entre 1980 e 1981 também marcou pontos em 15 corridas sem falhar uma.Para o ex-piloto austríaco Gerhard Berger, diretor-esportivo da BMW, fornecedora de motor da Williams, o principal fator que faz de Schumacher um superpiloto, hoje, é a sua experiência. "Nossos pilotos (Juan Pablo Montoya e Ralf Schumacher) atingiram também muito bom nível, mas não têm a bagagem de Michael, que com mais de 50 vitórias não sente a pressão." Berger explica melhor seu ponto de vista: "Michael está relaxado, não tem mais nada a provar, esse é o seu ponto forte." Arrows - No GP da Grã-Bretanha, Heinz-Harald Frentzen e Enrique Bernoldi, pilotos da Arrows, entraram na pista apenas no sábado, depois de o escocês Tom Walkinshaw, sócio da equipe, ter pago, com a ajuda de Bernie Ecclestone, promotor do show, US$ 4,5 milhões à Cosworth, empresa da Ford responsável pelo fornecimento dos motores à Arrows.Nesta terça Walkinshaw distribuiu nova nota, reiterando os problemas de falta de dinheiro da Arrows. "Temos novos investidores capazes de nos permitir um futuro mais seguro, mas tudo irá depender do acordo que fizermos com nossos atuais sócios", divulgou o escocês. O banco Morgan and Greenfield detém 40% da Arrows. A venda dos 60% de Walkinshaw a um grupo que ele diz ter interesse depende da negociação com o Morgan. Walkinshaw deve um bom dinheiro à instituição.Mercado - Fala-se cada vez mais que o jovem e talentoso espanhol Fernando Alonso será mesmo o companheiro de Jarno Trulli na equipe Renault na próxima temporada. Jenson Button, atual titular do time francês, pode ir para a Jaguar. Alonso é piloto de testes da Renault.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.