Wolfgang Rattay/Reuters
Wolfgang Rattay/Reuters

Segunda bateria de testes da Fórmula 1 começa nesta quarta, no Bahrein

Com a estreia da Lotus e retorno da Red Bull. sessão deve dar noções mais exatas do como será a temporada

O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2014 | 05h00

SAKHIR - A segunda bateria de testes de pré-temporada da Fórmula 1 começa nesta quarta-feira no Bahrein e vai trazer noções mais exatas de como será o ano. Pela primeira vez todas as equipes estarão na pista e a expectativa é saber se a Red Bull resolveu os problemas no motor.

A escuderia austríaca, ganhadora dos últimos quatro campeonatos, não conseguiu dar mais do que cinco voltas consecutivas na primeira bateria de testes, realizada na Espanha em janeiro. Assim como outros carros que usam motor Renault, a equipe de Sebastian Vettel teve problemas com o superaquecimento. A montadora francesa garantiu na última semana já ter resolvido o problema.

Os quatro dias de testes no Bahrein marcam também a estreia do modelo novo da Lotus. A equipe quarta colocada no último Mundial de Construtores se atrasou para lançar o novo carro e só agora vai para a pista.

A maior competitividade para a segunda bateria de testes também está assegurada pela Pirelli, fornecedora oficial dos pneus da Fórmula 1. Segundo o diretor de automobilismo da empresa, Paul Hembery, as condições climáticas no Bahrein, com temperatura prevista a 20ºC, serão melhores para fornecer informações às equipes do que o frio registrado durante a primeira bateria.

Em Jerez de la Frontera o destaque foi o desempenho da Mercedes, a única escuderia a ter conseguido simular a distância de corrida. Outro destaque foi o brasileiro Felipe Massa, da Williams, que foi o mais rápido do último dia de testes na Espanha e fez a segunda melhor volta de toda a primeira bateria, atrás apenas do estreante Kevin Magnussen, da McLaren.

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula 1Bahreintestes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.