Toni Alibir/Reuters
Toni Alibir/Reuters

Sem lesões, Alonso passará a noite no hospital em observação

'Ele está bem, mas sofreu uma concussão, o que requer ao menos uma noite no hospital,', diz chefe de equipe da Mclaren Eric Boullier

Estadão Conteúdo

22 de fevereiro de 2015 | 19h37

Fernando Alonso escapou praticamente ileso do acidente que sofreu neste domingo, informou a McLaren. O espanhol sofreu apenas a concussão, que o deixou inconsciente logo após acertar o muro entre as curvas 3 e 4 do Circuito da Catalunha, em Barcelona. A batida aconteceu durante o quarto e último dia da segunda bateria de testes da pré-temporada da Fórmula 1.

Ao chegar no hospital, ao ser levado de helicóptero do circuito, Alonso foi submetido a diversos exames, como tomografia e ressonância magnética. Mas nenhum deles constatou qualquer lesão.

"Felizmente, ele está bem, mas houve uma concussão durante o acidente, o que requer ao menos uma noite no hospital, como precaução", explicou o chefe de equipe da McLaren, Eric Boullier. "Este é o procedimento padrão para uma concussão."

Boullier minimizou a gravidade do acidente e criticou alguns veículos de imprensa, que teriam exagerado ao noticiar a batida. "O acidente de Alonso foi uma daquelas coisas que acontecem em testes", minimizou o dirigente. "Inevitavelmente, certas notícias se excederam ao exagerar na severidade do acidente. Foi apenas uma batida normal."

Mais cedo, o empresário do piloto, Luis Garcia Abad, informou que Alonso deverá ficar entre 24 e 48 horas em observação. De acordo com a administração do Circuito da Catalunha, o espanhol já estava consciente quando foi atendido por uma ambulância no local do acidente.

Especula-se que ele estivesse a mais de 130 km/h quando acertou o muro. O impacto, contudo, não causou maiores danos a sua McLaren. A equipe, por precaução, acabou deixando os testes no período da tarde porque precisava fazer uma melhor avaliação da condições do motor e da caixa de câmbio. Por essa razão, o inglês Jenson Button não chegou a entrar na pista neste domingo.

O acidente encerrou uma péssima semana para a McLaren, que volta a reeditar a parceria com a Honda nesta temporada. A equipe foi a que menos acumulou quilometragem na Catalunha - apenas 104 voltas -, principalmente por causa de problemas nos sistemas de recuperação de energia.

Depois do acidente de Alonso, que encerrou de forma precoce as atividades da McLaren neste domingo, a equipe aposta na última bateria de testes, entre quinta-feira e domingo da próxima semana, novamente em Barcelona, para recuperar o tempo perdido e se preparar para a abertura do campeonato, no GP da Austrália, em Melbourne, no dia 15 de março.

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula 1McLarenAlonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.