<br>

Sem revelar estado de Jules Bianchi, Marussia pede 'compreensão'

Em comunicado oficial, equipe inglesa afirma que diagnósticos sobre a recuperação de piloto serão divulgados com consenso da família

Estadão Conteúdo

06 de outubro de 2014 | 08h49

Na manhã desta segunda-feira, a Marussia soltou o seu primeiro comunicado sobre o acidente envolvendo o piloto Jules Bianchi, no último domingo, no Grande Prêmio de Suzuka de Fórmula 1. Sem divulgar quaisquer novidades sobre o estado físico do francês, a equipe pediu paciência aos jornalistas e afirmou que informações só serão divulgadas com o consenso da família do automobilista.

"Vamos respeitar e ser guiados pelos desejos da família de Bianchi. Juntamente com os cuidado a Jules, eles serão nossa maior prioridade. Por isso, gostaríamos de pedir paciência e compreensão no que diz respeito a novas atualizações médicas, que serão comunicadas em conjunto com o Centro Médico Geral de Mie, em Yokkaichi, onde Jules está sendo tratado, quando eles sentirem que é apropriado", disse à equipe por meio de nota.

Para dar suporte a Bianchi e a seus familiares, que devem chegar ao Japão na noite desta segunda, representantes da Marussia e da Ferrari, escuderia que fornece motores para a equipe inglesa, permanecerão no hospital.

Após perder o controle de seu carro a cerca de 200 km/h na 43ª volta da corrida, Bianchi colidiu em um guindaste que recolhia o carro de Adrian Sutil, que havia rodado na volta anterior. Encaminhado ao hospital de Mie, com pressão intracraniana e uma hemorragia, o piloto passou por cirurgia ainda no domingo e desde então, não houve mais notas oficiais sobre o seu estado de saúde.

O GP do Japão, no último domingo, teve início às 15 horas locais, embora a aproximação de um tufão tenha levantado a possibilidade da prova começar mais cedo, o que não aconteceu. No momento do acidente, chovia de forma constante e estava ficando escuro em Suzuka, com vários pilotos se queixando em razão das dificuldades de enxergar corretamente.

Bianchi, de 25 anos, está em seu segunda temporada na Fórmula 1, ambas correndo pela Marussia. O francês se destacou neste campeonato ao obter em Mônaco, com uma nona colocação, os primeiros pontos da Marussia desde a estreia da equipe na principal categoria do automobilismo no mundo.

EX-PILOTO PEDE MUDANÇAS

Assustado com o acidente envolvendo Bianchi, o campeão mundial em 1995 Jacques Villeneuve deseja que a FIA mude o protocolo de segurança quando ocorre algum acidente na pista. "Temos de mudar as regras do safety car. O problema é que quando a FIA autoriza a entrada do safety car, os meios de comunicação e o público reclamam por ele atrapalha a corrida. Às vezes ela fica um pouco mais lenta, mas ao menos evitar se evitam casos como o de Bianchi", afirmou o ex-piloto à revista Autosport, que acha que o caso poderia ser evitado caso o carro de segurança tivesse entrado após a batida de Sutil.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1MarussiaJules Bianchi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.