Senna lidera enquete; Schumacher é o 2º

Michael Schumacher está comemorando com justiça o sétimo título mundial da Fórmula 1, conquistado domingo, mas Ayrton Senna, que ganhou três campeonatos (1998/90/91) antes de perder a vida, continua sendo considerado o melhor piloto da história por milhares de pessoas. Entre elas estão os participantes da enquete realizada pelo site do jornal espanhol Marca. A diferença é pequena, mas Senna leva vantagem. Na enquete, colocada no ar depois que o alemão garantiu o heptacampeonato, o brasileiro tinha 45,2% dos votos - 27.349 registrados até o início da noite de hoje. Schumacher vinha logo atrás, com 43,3%. O argentino Juan Manuel Fangio, cinco vezes campeão mundial (1951/54/55/56/57), e o francês Alain Prost, dono de quatro títulos (1985/86/89/93)), tinham 7,3% e 4,7%. Nos últimos anos, periodicamente foram realizadas enquetes para apontar o melhor piloto da história. E rotineiramente o brasileiro superou o alemão. Seja em pesquisa feitas com fãs ou com especialistas, como a feita em maio pela conceituada publicação F1 Racing, que ouviu 77 pessoas entre pilotos, engenheiros, jornalistas e chefes de equipe: Senna foi eleito o melhor com 1.768 pontos. Fangio ficou em segundo, com 1.720, e Schumacher (campeão em 1994/95/2000/01/02/03/04) em terceiro, com 1.689. Depois que Schumacher assegurou o sétimo título, ainda não ocorreram manifestações de especialistas sobre quem é o melhor piloto da história. Mas não muito tempo atrás, ninguém menos que Bernie Ecclestone disse entender que até hoje não apareceu ninguém superior ao brasileiro. O próprio Schumacher revelou recentemente não se achar o melhor. Em entrevista ao jornal italiano L?Unitá de 12 de agosto, disse: "Não sou o melhor piloto do mundo e nunca declarei isso. Como poderia ter a pretensão de saber que tipo de condições e de situações enfrentaram meus predecessores?? Sobre Senna, afirmou: "Pelo controle absoluto da direção e pelo estilo, posso definir que tinha virtudes únicas?.

Agencia Estado,

31 Agosto 2004 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.