Acervo Estadão
Acervo Estadão

Sobrinha de Senna revela ações de marketing que ajudam a 'eternizar' o ídolo

Bianca também lembra com saudade do que viveu há três décadas ao lado do tio

Rafael Franco, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2018 | 05h00

Sobrinha de Ayrton Senna e hoje diretora de branding do instituto que leva o nome do ídolo, Bianca Senna revelou ao Estado que várias ações de marketing seguem em andamento para preservar a memória do seu tio, morto em 1994, cujo primeiro título na Fórmula 1 completa 30 anos nesta terça-feira. No dia 30 de outubro de 1988, o herói nacional garantiu o feito ao vencer o GP do Japão, em Suzuka, onde se consagraria também nas campanhas vitoriosas de 1990 e 1991 para faturar o tricampeonato na categoria máxima do automobilismo.

Bianca também lembrou com saudade do que viveu há três décadas ao lado do tio, cujo lado humano também foi exaltado por ela, que tinha apenas nove anos quando Ayrton se sagrou campeão mundial pela primeira vez. Confira a entrevista com ela a seguir:

Há algumas homenagens ou iniciativas planejadas pelo Instituto Ayrton Senna para este mês ou para o dia 30, quando serão completados 30 anos do primeiro título do Ayrton?

Sim, planejamos algumas ações especiais durante todo o mês. Na próxima terça, teremos a exibição do GP do Japão de 1988 na íntegra no Sportv 2 exatamente no dia 30 de outubro. A prova será exibida às 17h30 para o público relembrar essa conquista inesquecível. Nós tivemos também a homenagem feita pelo Corinthians e pela Nike, com o lançamento da nova camisa 3 do clube em homenagem ao Ayrton, além de uma linha exclusiva de produtos. Nós teremos também agora ações no Salão do Automóvel, com a presença do McLaren Senna e da réplica do McLaren MP4/6, carro usado pelo Ayrton na temporada de 1991. Convido a todos para conferirem de perto em São Paulo. Além das ações nos nossos canais oficiais, como Facebook, site e canal no Youtube Senna TV.

No ano passado, o carro usado pelo Ayrton naquele título de 1988 foi eleito pelos fãs, em pesquisa feita pela revista Autosport, como o melhor da história da Fórmula 1. Esse carro hoje faz parte das relíquias que ficaram com a família Senna? Existe alguma ação de marketing de momento ligada aos 30 anos daquele carro, considerado como mítico na F-1?

Os carros da McLaren pertencem à própria equipe e a maioria deles fica na própria sede da equipe em Woking, na Inglaterra. Nós aproveitamos essa data especial para trazermos uma réplica do McLaren MP4/6, carro com que o Ayrton conquistou sua primeira vitória no GP do Brasil em 1991, para exibirmos no Salão do Automóvel em São Paulo.

Um dos principais ídolos da história do esporte, Ayrton ainda é sinônimo de imagem positiva para empresas que tentam vincular suas marcas a ele, que está eternamente no coração dos brasileiros. O próprio Instituto Ayrton Senna é um claro exemplo disso com os seus muitos colaboradores e apoiadores. Como você vê isso, 30 longos anos após aquele primeiro título dele?

Essa imagem positiva é um reflexo positivo da carreira completa do Ayrton e todo o trabalho que temos feito para continuarmos capacitando mais jovens e professores, além de buscarmos outras soluções educacionais para a educação pública no Brasil.

Como sobrinha do Ayrton, você era uma criança quando ele ganhou o seu primeiro título mundial. Quais são as principais lembranças que você tem daquela conquista do seu tio? O que você poderia dizer com mais saudade da relação que tinha com ele?

Eu tinha nove anos em 1988, mas tenho ótimas memórias daquele ano, principalmente das férias de verão, quando ele já havia terminado a temporada e conseguia ficar bastante tempo comigo, com o meu irmão (Bruno Senna). Gostávamos muito de ficar juntos em Angra dos Reis (RJ) e também na fazenda no interior de São Paulo. O Ayrton sempre foi bastante brincalhão e se divertia com a gente.

No ano passado, o Instituto Ayrton Senna captou cerca de R$ 38 milhões por meio de diferentes fontes de renda, sendo que o sucesso da marca Senna só estaria atrás da marca Pelé no Brasil. Quais são os principais segredos para este sucesso?

O trabalho de todos no dia a dia do Instituto Ayrton Senna é que faz essa diferença. A organização tem profissionais muito competentes em todos os ramos, por isso divido esse sucesso com todos que trabalharam e continuam trabalhando conosco. O valor de 38 milhões é uma captação que realizamos através de empresas privadas, doações pessoas física e licenciamento das marcas, que nos permitem realizar nosso trabalho.

Quais são hoje as principais ações de marketing ligadas ao nome do Ayrton?

Nós temos várias parcerias em andamento, seja com a marca Senna, seja com ações que acabam ajudando também as causas da educação pelo Instituto Ayrton Senna. Os casos mais recentes são do próprio carro McLaren Senna, que teve todas as suas unidades vendidas, e a homenagem do Corinthians e da Nike para o Ayrton. Nós também tivemos o lançamento da Omnistory Ayrton Senna, loja que fica no Shopping Villa-Lobos (em São Paulo) e tem uma experiência de compra para os fãs de realidade virtual. Todos podem conferir os nossos produtos no próprio site da Ayrton Senna Shop. E o próprio lançamento da série animada Senninha na Pista Maluca, que teve sua estreia em agosto no canal Gloob.

Há alguma homenagem planejada pela organização da Fórmula 1 ao Ayrton nestas últimas provas desta temporada?

O Ayrton está sempre sendo homenageado por todos os autódromos que a Fórmula 1 passa e aqui em Interlagos com certeza não será diferente. A organização certamente fará uma homenagem, mas que ainda é segredo para todos.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Ayrton SennaFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.