Surpresa no treino da MotoGP na França

Dois pilotos norte-americanos surpreenderam no primeiro dia de treinos oficiais para o GP da França de MotoGP, na pista de Le Mans, e ficaram com os melhores tempos. Colin Edwards, da Honda, foi o mais rápido, com 1m33s870 (média horária de 160,306 km/h), enquanto Nicky Hayden, companheiro de equipe de Alexandre Barros, foi o segundo. Os 13 primeiros colocados andaram abaixo do recorde da pista e o brasileiro foi o 10º colocado."Não é a classificação que eu gostaria. Mas vamos ter que tirar leite de pedra para melhorar minha posição no grid. Não pretendo largar na quarta fila", disse Alexandre Barros. Neste sábado, os pilotos disputam a segunda e última sessão de treinos que definirá a ordem de largada da prova.No treino desta sexta-feira, os segundos pilotos como Colin Edwards, Nick Hayden, Carlos Checa e Makoto Tamada andaram na frente dos primeiros pilotos de suas equipes como Sete Gibernau (líder do campeonato), Alexandre Barros, Valentino Rossi e Max Biaggi.Segundo Alexandre Barros, a tendência é que isso mude no treino deste sábado. Ele revelou que a pista travada de Le Mans, em tese, favorece mais as motos Yamaha. No ano passado, correndo pela Yamaha, o piloto brasileiro conseguiu lá o seu único pódio da temporada - agora ele está na Honda.Para a Honda, segundo Alexandre Barros, o circuito de Mugello, Itália, onde será disputada a corrida seguinte, dia 6 de junho, é melhor. A Honda e a Ducati são as máquinas com maior potência entre as que estão disputando o Mundial de MotoGP.Depois de passar um ano enfrentando problemas com a Yamaha, Alexandre Barros reconhece que o acerto da Honda também está exigindo muito da equipe."Mas estamos melhorando. E isso mostra que a máquina tem muito para evoluir", afirmou. Por isso, ele acredita que, até o GP do Brasil, dia 4 de julho, em Jacarepaguá, a sua Honda RC 211 V estará bem ajustada. "Eu já fui segundo em Jacarepaguá. Mas esta poderia ser a grande chance para uma vitória brasileira na prova. Vou trabalhar muito para isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.