Temporada de 1976 da Fórmula 1 também vira livro

'Corrida para a Glória' relata a disputa de Niki Lauda e James Hunt pelo título daquele ano

LIVIO ORICCHIO - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2013 | 08h00

SPA - Além do filme Rush de Ron Howard, a emocionante temporada de 1976 da Fórmula 1 foi narrada em profundidade pelo escritor inglês Tom Rubython no livro Corrida para a Glória, editado em português pela Benvirá. Rubython segue a cronologia da competição contando os seus dramas com riqueza impressionante.

Vai fundo em algumas questões, como na descrição da personalidade arredia de James Hunt, contratado para pilotar a McLaren à última hora. Em entrevista exclusiva ao Estado, diz: “Eu escrevi a biografia de James. O próximo passo seria contar a extraordinária história daquele ano em que ele e Niki (Lauda) duelaram até a última etapa, no Japão”. O autor ouviu profissionais da Fórmula 1 que acompanharam Hunt e Lauda de perto o tempo todo. Isso o permitiu, por exemplo, expor sem policiamento experiências amorosas dos dois pilotos. Algumas impressionam, como a que descreve que pouco antes da largada da corrida decisiva do Mundial, em Fuji, Hunt foi surpreendido num canto dos boxes com uma fã japonesa. Ou o súbito amor de Lauda por Marlene Knaus, a ponto de levá-lo a se separar da musa do paddock, Mariella von Reininhaus.

Não há relação entre o livro e o filme. Essa é a versão de Lauda, que orientou Peter Morgan na definição do roteiro. Já Rubython não vê da mesma forma. Acredita que sua pesquisa serviu de referência para o trabalho. “Eles fizeram tudo por nada. Não concordo.” Mas disse que irá assistir ao filme.

O italiano Daniele Audetto é citado com regularidade no livro. Era o diretor esportivo da Ferrari em 1976. O Estado conversou com ele. “A história de que meu relacionamento com Lauda depois do seu acidente em Nurburgring ficou ruim é verdadeira”, lembra. “Ele soube que no dia do acidente, enquanto estava no hospital, eu telefonei para Emerson Fittipaldi para ver se aceitaria substituí-lo.”

Emerson deixara a McLaren, no fim do ano anterior, para correr por sua equipe, a Copersucar Fittipaldi. “Eu estava apenas fazendo o que Enzo Ferrari me pediu. As informações que tínhamos eram de que Lauda não sobreviveria”, diz Audetto. O piloto austríaco chegou a receber a extrema-unção. “Felizmente 40 dias depois do acidente Lauda se apresentou para correr conosco em Monza. Mas nossa relação nunca mais foi a mesma.” Lauda perdeu o título para Hunt por um ponto: 69 a 68.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.