Francisco Seco/Reuters
Francisco Seco/Reuters

Toto Wolff revela que a Mercedes manterá a cor preta em seus carros em 2021

Campeão do Mundial de Construtores pela sétima vez seguida vai manter as cores que fazem referência ao combate contra o racismo

Redação, Estadão Conteúdo

04 de novembro de 2020 | 11h40

Campeã do Mundial de Construtores de Fórmula 1 pela sétima vez seguida e já com o título da atual temporada entre os pilotos garantido entre o inglês Lewis Hamilton e o finlandês Valtteri Bottas, a Mercedes já tomou uma decisão com relação ao próximo ano. Toto Wolff, chefe da escuderia alemã, revelou que os carros em 2021 manterão a pintura preta, deixando o tradicional prata de lado mais uma vez em meio às manifestações contra o racismo.

"Sim, também estaremos pilotando de preto em 2021. O preto tem um visual maravilhoso", disse o dirigente em uma entrevista ao site austríaco Motorprofis, diferente da equipe da Fórmula E, que terá a cor prata em seus carros.

A manutenção serve para enfatizar a luta antirracista. No entanto, a pintura negra da Mercedes não será mantida no campeonato do ano seguinte, em 2022, e a tradicional cor prateada, usada até a pré-temporada deste ano, voltará aos carros. "Em 2022 teremos novas regras, mas queremos lembrar nossa herança novamente com as 'Flechas de Prata'. A questão antirracista continua muito importante para nós", destacou Wolff.

Nesta temporada, os carros da Mercedes têm uma pintura totalmente preta para marcar a posição de diversidade da equipe. A campanha "End Racism" (Acabe com o Racismo) está presente no halo dos carros e o programa da Fórmula 1 #WeRaceAsOne (Corremos como um) está nos espelhos dos modelos W11 de Hamilton e de Bottas.

Já Hamilton, em uma postagem em suas redes sociais, lamentou que a luta do movimento "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam) tenha perdido alguma força, cinco meses depois da morte de George Floyd, que provocou manifestações em todo o mundo e reações de apoio em força em organizações como a NBA ou a própria Fórmula 1.

"Com o passar do ano, posso definitivamente sentir um abrandamento na cobertura da mídia sobre o 'Black Lives Matter'. Mas eu não vou parar de tentar promover mudanças. A conscientização é onde tudo começa e continuarão a me ver a cada fim de semana representando o movimento", escreveu o piloto em seu Instagram.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1Toto Wolffautomobilismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.