Tribunal francês adia decisão sobre mudanças na F-1

Juiz ouviu os argumentos dos advogados da equipe italiana, que acusa a FIA de romper o Pacto de Concórdia

EFE

19 de maio de 2009 | 13h26

PARIS - Um tribunal de Paris decidirá na quarta-feira se a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) deverá anular as mudanças no regulamento previstas para o ano que vem, atendendo a uma denúncia da Ferrari.

Veja também:

tabela F-1: classificação do Mundial

especial Confira o calendário da temporada

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

O juiz escutou nesta terça os argumentos dos advogados da equipe italiana, que acusa a FIA de romper o Pacto de Concórdia - acordo entre as escuderias e a organização da categoria - ao tentar modificar o regulamento da Fórmula 1 sem consenso.

O tribunal também escutou os representantes da federação internacional e decidiu adiar a decisão, que deve sair às 9 horas de Brasília.

A Ferrari decidiu ir aos tribunais devido à falta de acordo na reunião de conciliação de sexta entre a FIA, a Associação de Escuderias da Fórmula 1 (Fota, em inglês) e Bernie Ecclestone, à frente da Formula One Management (FOM), que detém os direitos comerciais da categoria.

O principal ponto de discórdia é a intenção da FIA de limitar o orçamento de cada equipe para 45 milhões de euros, sem contar as despesas de patrocínio e o salário dos pilotos, a partir de 2010.

A escuderia italiana ameaçou não disputar o Mundial do próximo ano se a FIA não flexibilizar o calendário para introduzir essa limitação orçamentária.

Diante da proximidade do prazo limite de inscrição no torneio do ano que vem, no próximo dia 29, a escuderia italiana decidiu levar o caso à justiça francesa, que supervisionou o Pacto de Concórdia.

A denúncia é mais um passo na briga entre a FIA e as equipes, lideradas pela Ferrari. A escuderia italiana conta com o apoio de Renault, Toyota, Red Bull e Toro Rosso, que também ameaçaram não disputar o próximo Mundial caso a proposta siga em vigor.

O inglês Max Mosley, presidente da FIA, pretende usar os ajustes orçamentários para facilitar a chegada de novas equipes como a Lola e os americanos da USF1, que esbarram nos custos para disputar os Grandes Prêmios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.