Yoan Valat/EFE
Yoan Valat/EFE

Tribunal rejeita apelo da Ferrari contra regras da F-1 para 2010

Vitória na corte francesa tem peso político para o presidente Max Mosley e seu polêmico teto orçamentário

EFE

20 de maio de 2009 | 09h08

PARIS - O Tribunal de Grandes Instâncias de Paris validou hoje as mudanças de regulamento introduzidas pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) na Fórmula 1, indo de encontro à postura da Ferrari, que tinha pedido sua anulação.

Veja também:

link Para Ferrari, F-1 com novas regras deveria se chamar GP3

linkInteresses coletivos devem prevalecer na F-1, diz Mosley

tabela F-1: classificação do Mundial

especial Confira o calendário da temporada

especial ESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

O juiz responsável pelo caso recusou a solicitação da escuderia italiana ao considerar que esta não é competente sobre o fundo do assunto, que deve ser tratado por instâncias de arbitragem internacional, segundo fontes judiciais. 

Ferrari pediu que o magistrado atuasse em caráter de urgência, mas o juiz indicou que "não há nenhum dano iminente a prevenir, nem mudança manifestamente lícita que seja necessário pôr fim".

A escuderia reivindicou a anulação do o novo regulamento da F-1 idealizado pela FIA ao considerar que não pode exercer seu direito a veto contra o mesmo, como estabelece o Pacto de Concórdia, que rege a categoria.

Segundo o magistrado, a Ferrari teve tempo de exercer seu direito de veto no Conselho Mundial da FIA, algo que a escuderia não fez.

O juiz se declara incompetente para estabelecer se era válido o momento no qual a Ferrari quis impor seu veto, algo que, de acordo com ele, deve ser feito por outras instâncias.

A escuderia italiana decidiu recorrer à Justiça francesa após não chegar a um acordo com a FIA sobre a reforma do regulamento da F-1 para 2010.

O principal ponto de discordâncias se refere à intenção da FIA de limitar o orçamento de cada equipe a 45 milhões de euros, sem contar as despesas de patrocínio e o salário dos pilotos, a partir do ano que vem.

A Ferrari ameaça não se inscrever para o Mundial de F-1 de 2010 caso a FIA não flexibilize o calendário para introduzir essa limitação orçamentária, no que foi seguida por Renault, Toyota, Red Bull e Toro Rosso.

O presidente da FIA, Max Mosley, pretende introduzir as limitações orçamentárias a partir do próximo ano para facilitar a entrada de novas escuderias na F-1. Alguns dos nomes cotados para se juntar à categoria são Lola e USF1, entre outros.

Atualizado às 10h04 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.