Jose Jordan/AFP
Jose Jordan/AFP

Tricampeão da MotoGP, espanhol Jorge Lorenzo anuncia aposentadoria das pistas

Piloto vai disputar a última corrida neste domingo na etapa da Comunidade Valenciana, no circuito Ricardo Tormo

Redação, Estadão Conteúdo

14 de novembro de 2019 | 12h10

A etapa da Comunidade Valenciana, neste domingo, no circuito Ricardo Tormo, na cidade de Valência, na Espanha, é a última da temporada de 2019 da MotoGP e a também a última de um dos maiores pilotos da categoria máxima da motovelocidade. Nesta quinta-feira, em uma entrevista coletiva convocada de última hora, o espanhol Jorge Lorenzo, aos 32 anos, anunciou a sua aposentadoria das pistas.

Tricampeão da MotoGP e bi da categoria 250cc (cilindradas), Lorenzo vê a sua carreira chegar ao final em baixa. Contratado neste ano pela Honda para formar dupla com o compatriota Marc Márquez, não rendeu o esperado. Enquanto o colega de time se aproxima do recorde de 400 pontos e conquistou em 2019 o seu sexto título, Lorenzo amarga apenas a 19.ª colocação, com só 25 pontos. Além disso, sofreu bastante com lesões ao longo do ano - incluindo um forte acidente em Assen, na Holanda - e nunca esteve em plena forma.

"Sempre pensei que há quatro dias significativos na vida de um piloto. O primeiro é quando é sua primeira corrida, o segundo é sua primeira vitória e depois seu primeiro campeonato mundial. Nem todo mundo pode vencer o campeonato mundial, mas alguns de nós conseguimos", disse Lorenzo na entrevista coletiva ao lado de Carmelo Ezpeleta, diretor executivo da Dorna, a promotora do Mundial de MotoGP.

"E então há o dia em que você se aposenta. Como todos vocês imaginam aqui, estou aqui para anunciar que este dia chegou para mim. Esta será a minha última corrida na MotoGP e no final da corrida vou me aposentar como piloto profissional", completou o espanhol.

Os números de Lorenzo nas pistas mostram que ele é um dos pilotos que escreveu a história da categoria na última década. São cinco títulos mundiais de motovelocidade, com um total de 68 vitórias, 152 pódios e 69 poles em todas as categorias por onde passou.

Seu melhor período foi pilotando com a Yamaha, equipe que ele guiou de 2008 a 2016, levando para casa os títulos mundiais de 2010, 2012 e 2015, além de 44 vitórias. Os três últimos chegaram pela Ducati. Após deixar a equipe italiana, foi para a Honda, mas não teve o brilho que esperava.

O francês Johann Zarco, que está substituindo o japonês Takaaki Nakagami nas últimas corridas da temporada na LCR Honda, é apontado nos bastidores como candidato favorito para substituir o tricampeão e fazer dupla com Marc Márquez em 2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.