Tudo em aberto no mercado da F-1

A imprensa italiana já publicou ?ar de divórcio? entre Rubens Barrichello e a Ferrari e, a partir daí, surgiram várias possibilidades de equipe para ele. Mas, com muita probabilidade, Rubinho vai ficar onde está, na Ferrari, como companheiro de Michael Schumacher. ?Tenho contrato para 2006?, afirmou o brasileiro, assim como lembrou o diretor-geral da Ferrari, Jean Todt. Não será uma situação de desgaste entre Rubinho e Schumacher, como a de Mônaco, que implicará sua demissão. Já em outros times, as mudanças são iminentes. Por exemplo: a Williams não deverá mais competir com motor BMW em 2006. ?É pouco profissional o comportamento de Mario Thiessen (diretor da BMW) de criticar publicamente a Williams?, disse, ontem, Patrick Head, sócio da escuderia. Toyota, Cosworth ou Honda, um dos três lhe fornecerá os motores. Nick Heidfeld, que ontem fez a pole position do GP da Europa, apesar de estar demonstrando ser mais piloto que Mark Webber, deverá deixar a Williams. Seu contrato termina no fim do ano, enquanto Webber tem compromisso até o fim de 2007. Como a BMW passará a trabalhar com a Sauber ano que vem, Heidfeld, imposto na Williams pela montadora, irá para a organização suíça. O lugar do alemão na Williams ficará com Jenson Button, hoje na BAR-Honda. Felipe Massa, que hoje está na Sauber, parece ter destino certo: a Red Bull. O time austríaco competirá com motor Ferrari em 2006 e trocará os pneus Michelin pelo Bridgestone, como os italianos. Será a extensão da Ferrari. A carreira de Massa é administrada por Nicolas Todt, filho de Jean Todt, e o contrato com a Sauber acaba no fim da temporada. Em resumo: Ferrari, McLaren, Renault e Toyota não vão mexer em seus pilotos. Na Williams sai Heidfeld e entra Button, enquanto a Red Bull deve ir de Massa e David Coulthard, hoje titular já. O companheiro de Heidfeld na Sauber está em aberto. O favorito é o finlandês Heikki Kovalainen, jovem de grande talento, líder da GP2. Haverá um bom lugar na Fórmula 1 na BAR-Honda com a saída de Button. Takuma Sato, protegido da Honda, disputará mais uma temporada. Nas duas demais escuderias, Jordan e Minardi, pilota quem paga mais. E para preencher o grid, apenas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.