Gerhard Schiel/AP
Gerhard Schiel/AP

Valentino Rossi anuncia aposentadoria da MotoGP no final do ano

Piloto italiano coloca ponto final em história de 25 anos na categoria que o consagrou como um dos maiores do esporte

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2021 | 16h17

Aos 42 anos, Valentino Rossi decidiu que se aposenta da MotoGP no final de 2021. Desde sua chegada à categoria em 1996, o italiano conquistou nove campeonatos mundiais, 115 Grand Prix e subiu no pódio em 235 oportunidades. Além disso, ‘O Doutor’, como é conhecido, é o único competidor a ganhar títulos nas categorias 125cc, 250cc, 500cc e MotoGP.

Rossi confirmou em uma coletiva de imprensa nesta quinta que essa será sua última temporada na motovelocidade. Neste fim de semana, a MotoGP está no Red Bull Ring para o GP da Estíria. Foi lá que o italiano conseguiu seu primeiro pódio na carreira, em 1996. “Eu disse que eu tomaria uma decisão para o próximo ano depois da parada de verão, e eu decidi parar no fim da temporada.” A lenda do esporte continuou dizendo que esse é um momento difícil e triste, pois não é fácil dizer e saber que, no próximo ano, ele não correrá mais em uma moto. “Eu fiz isso por mais ou menos 30 anos!”, afirmou o italiano. 

Apesar da mudança de vida, Rossi disse que aproveitou sua jornada na motovelocidade e que foi muito divertido estar por mais de 25 anos no Campeonato Mundial. “Eu tive momentos inesquecíveis com os meus caras, os caras que trabalham para mim, então… eu não tenho muito a dizer!. Só isso”, concluiu o piloto.

Durante o resto do ano, a Petronas Yamaha SRT conta com os serviços de Valentino Rossi, que, a partir do ano que vem, assiste à equipe da qual é dono estrear em tempo integral na Moto GP. A Aramco Racing Team VR46 é uma parceria entre a empresa do futuro ex-piloto e a maior companhia de petróleo do mundo em termos de reservas de óleo cru e de produção. 

A união entre Rossi e a Arábia Saudita causou enorme polêmica por conta das atitudes controversas do governo na Guerra do Iêmen e a ordem de matar o jornalista Jamal Khashoggi. A marca do piloto já pertence à classe rainha da motovelocidade graças a uma parceria com duas fornecedoras de motos: a italiana Ducati e a espanhola Avintia, equipe de Luca Marini, meio-irmão de Valentino. Com a saída dos espanhóis da modalidade no final dessa temporada, o time do italiano assume as duas vagas que se abriram.

Trajetória

Antes de brilhar na categoria principal da MotoGP, Valentino Rossi foi campeão em três classes diferentes. Em 1997, venceu a 125cc, em 1999, a 250cc, e em 2001, levantou a taça da 500cc quando tinha 22 anos. Então, com o surgimento das motos 990cc no ano seguinte, ele partiu para o nível mais alto do esporte.

Se a maioria dos pilotos teve problemas em se adaptar com os novos motores, o italiano conquistou quatro campeonatos seguidos, dois com a Honda, dois com a Yamaha. Após dois anos sem títulos, levou mais duas taças para casa na equipe japonesa em 2008 e 2009. Um dos esportistas mais vangloriados da motovelocidade, Rossi já vinha tendo a aposentadoria especulada desde que perdeu a vaga para Fabio Quartararo.

Apesar disso, o italiano de 42 anos preferiu correr mais um ano. Os resultados não vieram, mas nada que atrapalhe seu legado. Além de acompanhar sua equipe em 2022, ele pensa em dar mais atenção a corridas de carros, algo que já fazia de maneira esporádica nos últimos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.