Vendedores lamentam saída de Rubinho

Os vendedores ambulantes que cercavam as entradas do Autódromo de Interlagos estavam entre os que mais lamentavam a saída de Rubens Barrichello da prova, logo no começo. Com a sacola cheia de bonés da Ferrari, Luís Antonio da Silva tinha como última esperança uma boa colocação do piloto brasileiro. "Estou aqui desde as 8 horas e só consegui vender cinco bonés. Vou ficar no prejuízo", queixou-se.Do lado de fora dos portões, o carioca José Alves de Moura, de 61 anos, conhecido como o Beijoqueiro, queria consolar Rubinho com seu beijo. Desde as 9 horas esperava uma brecha para entrar. "Fiquei anos sem beijar, de luto pela morte de Ayrton Senna", afirma. "Voltei à atividade este ano e queria começar beijando o Rubinho e o Schumacher para dar sorte à equipe da Ferrari."A breve participação de Barrichello desapontou os torcedores, que não mediram esforços para assistir à corrida. Muitos chegaram às 3 horas para enfrentar a fila nos portões de acesso. Quem não conseguiu o ingresso nem teve condições de recorrer aos cambistas - que cobravam até R$ 200,00 por uma entrada para o setor A - tentou arrumar-se em cima do telhado de casas vizinhas e até debruçar-se sobre galhos de árvore e o muro do autódromo. Valia tudo para ver ao menos o vulto de um carro.MARQUISE - Uma lanchonete da Avenida Interlagos improvisou uma "arquibancada" em sua marquise. O proprietário cobrava R$ 50,00 pela vista de uma das curvas da pista. O casal de paranaenses Jacira de Melo, de 30 anos, e Cláudio Soares, de 28, assistiu à prova da laje da lanchonete, que contava até com cadeiras e guarda-sóis. "Não esperava passar a corrida aqui, mas ficou mais barato", resignou-se Soares, que veio de Maringá para ver a prova. Alguns, como o vendedor Joel Aparecido Amorim, de 30 anos, estavam equipados com binóculos. "O que importa é a emoção de ouvir o barulho dos carros", disse.Os moradores do Cingapura vizinho do autódromo lamentavam ter perdido a visão da pista de corrida este ano por causa da construção das arquibancadas. "Agora, só dá para ver pela janela do corredor", queixou-se José Martins, de 34 anos.Mesmo depois de a corrida ter começado, o auxiliar Anderson Aparecido Nascimento, de 20 anos, tentava entrar no autódromo com a namorada, Érica Guimarães, de 18. O problema é que os ingressos eram de setores diferentes. "Fui roubado e não encontrei as mesmas entradas com os cambistas", disse o torcedor, sem saber que, naquela hora, Rubinho já estava fora da corrida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.