NATALIA KOLESNIKOVA / AFP
NATALIA KOLESNIKOVA / AFP

Verstappen e Pérez afastam rumores de crise, e Red Bull quer dobradinha no GP do Canadá de F-1

Entre ordens de equipe e disputas na pista, time austríaco almeja ampliar vantagem contra Ferrari 

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2022 | 19h52

Líder do campeonato de construtores e com seus dois pilotos no topo da tabela da competição, a Red Bull vive o momento dos sonhos na Fórmula 1. Após um GP do Azerbaijão perfeito, com direito a dobradinha de Max Verstappen e Sergio Pérez e abandono dos rivais Charles Leclerc e Carlos Sainz Jr., a equipe austríaca viu sua vantagem para a Ferrari aumentar e chegar a 80 pontos. O holandês é líder do mundial com 150 pontos, enquanto o mexicano é o segundo colocado com 129.

Apesar da ótima fase, a disputa entre Verstappen e Pérez vem chamando atenção. Na corrida em Baku, a equipe instruiu o mexicano, que estava em primeiro lugar, mas tinha um ritmo de corrida pior do que Verstappen, a não brigar pela posição. O atual campeão ultrapassou o mexicano e conquistou sua quinta vitória na temporada. Algo semelhante ocorreu no GP da Espanha, onde Pérez também entregou a primeira posição para Verstappen após um pedido da Red Bull.

Os dois pilotos, no entanto, garantem que o clima na equipe é ótimo. Se preparando para a próxima etapa da temporada, o GP do Canadá, ambos reforçaram o seu comprometimento com a Red Bull. “Vamos ao Canadá em um momento sensacional para a equipe”, afirmou Pérez. “Ter feito a pontuação máxima em Baku foi brilhante para a gente, já que o resultado nos mantém na luta por ambos os títulos.”

Pérez confessou que a corrida no Azerbaijão foi um pouco frustrante, mas que chegar em segundo e marcar a volta mais rápida não é o pior dos cenários. Já Verstappen entende que o objetivo deles é repetir a dobradinha na corrida de Montreal. “É sensacional liderar ambos os campeonatos, mas ainda temos um longo caminho pela frente”, disse o holandês. Para ele, a equipe deve otimizar a soma dos pontos em toda a oportunidade que encontrar.

EFEITO GOLFINHO

Além da disputa entre os dois pilotos da Red Bull, um dos principais assuntos que corre o paddock é o efeito porpoising - conhecido em português como "efeito golfinho" - e suas possíveis consequências para a saúde dos atletas. Com o novo regulamento aerodinâmico implementado na temporada de 2022, os carros passaram a “quicar” em trechos de alta velocidade, o que provoca dores nos pilotos.

O heptacampeão Lewis Hamilton foi visto com dificuldades para se levantar e sair do carro após o final da prova no último domingo. O piloto da Mercedes classificou a experiência como uma das piores que já enfrentou em sua carreira. Ainda não se sabe quais são os possíveis efeitos danosos a médio e longo prazo do porpoising, mas não parece algo que será solucionado imediatamente. Além das questões técnicas, equipes que não estão sendo tão afetadas pelo efeito não parecem interessadas em permitir soluções que fujam ao regulamento.

“Vai ser complicado que todas as equipes concordem para que haja uma mudança nesse aspecto”, afirmou o bicampeão Fernando Alonso. O piloto da Alpine entende que esse é um problema que vai variar de circuito a circuito, a depender da configuração da pista. Caso uma mudança fosse implementada, seria necessário a aprovação de oito das dez equipes do grid.

PROGRAMAÇÃO

O Grande Prêmio do Canadá de Fórmula 1 volta a ser disputado neste fim de semana após dois anos longe do calendário por causa do pandemia do novo coronavírus. Em Montreal, as atividades começam na sexta-feira. O primeiro treino livre começa 15h (horário de Brasília), o segundo, às 18h. No sábado, as escuderias voltam às pistas para o terceiro treino livre, às 14h, e finalmente a definição do grid de largada, às 17h. A corrida está agendada para domingo, às 15h./ COM INFORMAÇÕES DE EFE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.