Lisi Niesner/Reuters
Lisi Niesner/Reuters

Verstappen torce por chuva e Ricciardo minimiza perda de posições no GP do Brasil

Holandês obteve o quinto melhor tempo e o australiano foi o sexto mais veloz diante das dificuldades que a equipe já esperava em Interlagos

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

10 Novembro 2018 | 19h50

Como os próprios pilotos previram nos últimos dias, a Red Bull não obteve o melhor dos resultados no treino classificatório do GP do Brasil, neste sábado. O holandês Max Verstappen obteve o quinto melhor tempo e o australiano Daniel Ricciardo foi o sexto mais veloz diante das dificuldades que a equipe já esperava no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Ricciardo vai largar em 11º porque sofreu punição.

Para Verstappen, ficar atrás dos carros da Mercedes e da Ferrari já era quase certo. "Nós conseguimos o melhor que podíamos, que era o quinto lugar. Então, estou feliz por isso. As condições estavam um pouco complicadas, mas conduzimos bem a situação. O carro perdeu um pouco do equilíbrio, principalmente quanto à aderência nos pneus dianteiros", comentou.

As dificuldades se deveram às mudanças climáticas em São Paulo. O treino que definiu o grid de largada começou com calor e terminou com chuva leve, que não chegou a exigir pneus intermediários ou de chuva.

Na avaliação de Verstappen, o mau tempo poderia ajudar a Red Bull neste domingo, na corrida que terá largada às 15h10. "Temos sempre uma corrida difícil aqui no tempo seco. Então, se tiver chuva, a prova pode cair nas nossas mãos."

Ricciardo deverá ter mais dificuldade que o companheiro de time na corrida. Largará em 11º após ser punido por ter trocado componentes do seu motor além do permitido no regulamento técnico. Mas nem isso tira o costumeiro sorriso do rosto do australiano.

"Claro que largar umas posições à frente seria melhor. Não vai ser fácil", admitiu o piloto, que ao contrário de Verstappen lamentou a possibilidade de chuva. Na sua avaliação, isso vai afetar a estratégia do time. O mais esperado é que os times façam apenas um pit stop ao longo da prova.

"Talvez tenhamos que fazer duas paradas. Com chuva, não há absolutamente nenhuma regra. Você tem apenas que cuidar de si mesmo", afirmou, que já projetou uma corrida de recuperação. "Minha corrida vai ser determinada pela velocidade como eu conseguirei subir posições em busca do Top 5. Tenho certa experiência em reagir na corrida após começar atrás."

Ricciardo garantiu empenho para buscar o melhor resultado possível para a equipe, apesar do clima de despedida. Ele passará a defender a Renault na próxima temporada. Insatisfeito com os seguidos problemas apresentados por seu carro ao longo do ano, o australiano chegou a afirmar, ao fim do GP do México, que abandonou de forma precoce justamente por questões mecânicas, que iria desistir das últimas duas corrida do campeonato, no Brasil e em Abu Dabi, no dia 25.

Dias depois, voltou atrás e confirmou presença nas duas etapas. "Dentro do carro, estou completamente comprometido com a equipe", afirmou o australiano, neste sábado, ao garantir mais uma vez que seguirá todo o planejamento do time apesar das decepções na pista. "Eu quero ser maior do que isso."

 
 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.