Vettel aproveita interrupção e fatura 5ª vitória no ano

Grande sensação da temporada, o alemão Sebastian Vettel contou com a sorte neste domingo para conquistar sua quinta vitória em seis corridas disputadas neste ano, no GP de Mônaco. Uma interrupção da prova nas voltas finais acabou favorecendo o piloto da Red Bull, que teve dificuldade para segurar as investidas de Fernando Alonso, segundo colocado, e Jenson Button, terceiro a cruzar a linha de chegada.

AE, Agência Estado

29 de maio de 2011 | 11h39

Com seu primeiro triunfo nas ruas de Mônaco, Vettel aumentou ainda mais sua vantagem na classificação geral da Fórmula 1. Em busca do bicampeonato, o alemão chegou aos 143 pontos, disparado na liderança. Distante o inglês Lewis Hamilton, segundo colocado, apresenta apenas 85 pontos, seguido de Webber (79), Button (76) e Alonso (69). Felipe Massa, que abandonou a prova, é o oitavo, com 24.

Precedida pelo grave acidente sofrido pelo mexicano Sergio Perez no sábado, a corrida em Mônaco foi marcada pelos acidentes, que exigiram a entrada do carro de segurança por duas vezes na pista, e pela paralisação nas voltas finais.

Um choque entre os carros de Jaime Alguersuari, Vitaly Petrov e Lewis Hamilton, principal protagonista dos incidentes neste domingo, acabou facilitando a vitória de Vettel. O alemão, que só fez uma troca de pneus durante a prova, pôde fazer nova mudança em seus compostos durante a interrupção, o que lhe deu novo fôlego para buscar a vitória.

A CORRIDA - Em sua quinta pole do ano, Vettel manteve a posição na largada, depois de ser surpreendido por Alonso na corrida passada. O espanhol teve nova boa saída, pulando de quarto para terceiro, mas não conseguiu ameaçar o rival alemão, situação que se repetiu durante toda a corrida.

O piloto da Red Bull não demorou para abrir vantagem na ponta, mas não demorou para ser ameaçado, logo na primeira rodada de paradas nos boxes, marcada pelas dificuldades da equipe. Na tentativa de surpreender os adversários, a equipe fez mistério sobre o pit stop e demorou para avisar os mecânicos, que mostraram lentidão nas trocas de pneus. Webber foi o mais prejudicado.

Button e Alonso aproveitaram os vacilos dos rivais e encostaram em Vettel, enquanto Webber deixou a briga pelas primeiras posições. Massa também teve problemas nos boxes, mas perdeu menos tempo. Voltou em 10.º lugar.

No entanto, levou a pior em uma disputa com Hamilton, em seu retorno à pista. Após ganhar a 9.ª posição, o brasileiro viu o rival surpreender com uma ultrapassagem arriscada dentro do túnel. Massa acabou saindo para o trecho "sujo" da pista, perdeu o controle do carro e acabou abandonando a prova na volta 35. Desta forma, o piloto da Ferrari acumulou sua terceira prova seguida sem marcar pontos.

A manobra arriscada levou o carro de segurança para a pista e garantiu uma punição a Hamilton, com uma passagem pelos boxes. Coadjuvante na briga pela vitória, o inglês voltou a chamar atenção ao se envolver em mais um acidente, que tirou Maldonado da prova nas voltas finais. Hamilton terminou em sexto, mas estava sob investigação no final da prova e ainda corre o risco de perder posições na classificação final.

Sem mostrar a mesma performance das corridas anteriores, Vettel foi ameaçado constantemente por Alonso e Button nas voltas finais. O alemão fez apenas uma parada nos boxes e sofria com o desgaste dos pneus, enquanto o espanhol acumulava duas trocas e Button exibia melhor forma por conta de três paradas.

A briga ficou ainda mais acirrada quando a corrida ganhou nova largada, na volta 72, depois de um acidente envolvendo Petrov e Alguersuari. O piloto russo machucou a perna e precisou ser encaminhado para o hospital. Com bandeira vermelha, a prova precisou ser interrompida para a limpeza da pista.

A interrupção acabou beneficiando Vettel já que os pilotos puderam trocar seus pneus durante o intervalo. A mudança deu novo fôlego ao alemão, que vinha sofrendo para manter a vantagem sobre os rivais, por conta do desgaste dos pneus. Renovado, o piloto da Red Bull sustentou a primeira posição com firmeza e garantiu mais uma vitória no ano.

O acidente também beneficiou o brasileiro Rubens Barrichello, que ganhou posições e entrou na zona de pontuação da prova. Ele terminou em nono lugar e somou pontos pela primeira vez na temporada, depois de seis corridas disputadas.

Os pilotos voltam à pista no dia 12 de junho para o GP do Canadá, a sétima etapa da temporada, que será disputada no circuito de Montreal.

Confira a classificação final do GP de Mônaco:

1.º - Sebastian Vettel (ALE/Red Bull)

2.º - Fernando Alonso (ESP/Ferrari), a 1s1

3.º - Jenson Button (ING/McLaren), a 2s3

4.º - Mark Webber (AUS/Red Bull), a 23s1

5.º - Kamui Kobayashi (JAP/Sauber), a 26s9

6.º - Lewis Hamilton (ING/McLaren), a 27s2

7.º - Adrian Sutil (ALE/Force India), a uma volta

8.º - Nick Heidfeld (ALE/Renault), a uma volta

9.º - Rubens Barrichello (BRA/Williams), a uma volta

10.º - Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso), a uma volta

11.º - Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a duas voltas

12.º - Paul di Resta (ESC/Force India), a duas voltas

13.º - Jarno Trulli (ITA/Lotus), a duas voltas

14.º - Heikki Kovalainen (FIN/Lotus), a duas voltas

15.º - Jerome d''Ambrosio (BEL/Virgin), a três voltas

16.º - Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania), a três voltas

17.º - Narain Karthikeyan (IND/Hispania), a quatro voltas

Não completaram:

Pastor Maldonado (VEN/Williams)

Vitaly Petrov (RUS/Renault)

Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso)

Felipe Massa (BRA/Ferrari)

Michael Schumacher (ALE/Mercedes)

Timo Glock (ALE/Virgin)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.