Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Vettel bate recorde de Interlagos e crava melhor tempo no 3º treino livre

Piloto da Ferrari anda a 1min07s948 e é seguido pelas Mercedes de Hamilton e Bottas

Estadão Conteúdo

10 Novembro 2018 | 13h22

O terceiro treino livre para o GP do Brasil foi bastante agitado no início desta tarde de sábado em Interlagos. O alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, bateu o recorde da pista com um carro de Fórmula 1, ao completar a volta mais rápida em 1min07s948.

O pentacampeão Lewis Hamilton forçou sua Mercedes, mas só conseguiu ficar com o segundo lugar (1min08s165), seguido pelo companheiro Valtteri Bottas (1min08s465).

Kimi Raikkonen, mais contido nesta sessão, fez o quarto melhor tempo (1min08s490) com sua Ferrari, à frente do holandês Max Verstappen (1min08s733), da Red Bull. Daniel Ricciardo, também da equipe austríaca, conseguiu o sexto tempo (1min08s788 apesar de sofrer com vários problemas.

Os dois carros da Haas vieram na sequência. O dinamarquês Kevin Magnussen (1min09s146) ficou em sétimo e o francês Romain Grosjean (1min09s257), o oitavo. Outro francês, Pierre Gasly, da Toro Rosso, foi o nono (1min09s402), enquanto seu compatriota Charles Leclerc, da Sauber, marcou o décimo tempo (1min09s448).

O espanhol Fernando Alonso, bicampeão mundial, que vai se despedir da categoria após o GP de Abu Dhabi, dia 25, foi apenas o 20º colocado com a sua McLaren, com o tempo de 1min10s020.

O treino, que teve a duração de uma hora, ainda registrou um estouro do motor da Red Bull de Ricciardo e bastante fumaça na Mercedes de Hamilton, que apresentou certa dificuldade para realizar as curvas do traçado.

No Mundial de Construtores, a Mercedes está bem próxima do título, com 585 pontos. A Ferrari tem 530, enquanto a Red Bull soma 362.

Os carros voltam para a pista de Interlagos neste sábado, às 15h, para a definição do grid de largada. A corrida, no domingo, tem previsão de largada para as 15h10. O 47º GP do Brasil de Fórmula 1 terá 71 voltas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.