Attila Kisbenedek/AFP Photo
Attila Kisbenedek/AFP Photo

Vettel critica ritmo da Ferrari e diz que teve sorte por chegar em 2º na Hungria

'Não consegui acompanhar Lewis por causa dos pneus', explicou o piloto alemão

Estadão Conteúdo

29 de julho de 2018 | 16h56

O alemão Sebastian Vettel não teve o melhor dos dias no GP da Hungria da Fórmula 1 neste domingo, mas, ao menos, contou com a sorte para terminar a prova na segunda colocação, atrás do seu rival na briga pelo título do campeonato, o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes.

+ Hamilton celebra 'dia maravilhoso' e vê vitória na Hungria como um bônus à equipe

+ Bottas lamenta incidentes no final da corrida: 'Não vejo nada de positivo'

+ Hamilton vence de ponta a ponta na Hungria e amplia vantagem na liderança

O piloto da Ferrari reclamou do ritmo lento do carro em relação ao que Hamilton imprimiu, mas celebrou a sorte de não ter que abandonar a corrida após o toque com o finlandês Valtteri Bottas nas voltais finais no circuito de Hungaroring, em Budapeste.

"Algo estava preso na parte traseira do carro. Não consegui acompanhar Lewis por causa dos pneus. Não tive chance de andar no mesmo ritmo", reclamou. "Ele (Bottas) me acertou por trás. Não tenho certeza do que aconteceu, mas sei que tive sorte de que o carro não quebrou e eu pude seguir", disse Vettel.

O piloto alemão, que largou no quarto lugar, teve um bom começo de corrida mas perdeu muito tempo na parada nos boxes na volta 40 e acabou caindo para a terceira posição. Depois, retomou o segundo lugar com o incidente com Bottas e, pelas circunstâncias da corrida, acabou conseguindo um bom resultado em Budapeste.

"Os pneus dele estavam piorando e piorando, então estava confiante de que poderia alcançar Hamilton", opinou. "Tive um bom começo, o que foi surpreendente, por causa dos pneus macios. Depois escapei de Bottas. Ficar em segundo não era o que eu queria, mas vou aceitar, é o que poderíamos aspirar hoje", concluiu o alemão.

Com a vitória de Hamilton, a segunda consecutiva na Fórmula 1, Vettel viu o rival aumentar sua vantagem na liderança do Mundial de Construtores. Agora, o piloto alemão se manteve na segunda posição com 189 pontos, 24 a menos que Hamilton.

Depois de acelerar por dois finais de semana seguidos, os pilotos terão um longo descanso. O campeonato para por quase um mês devido ao recesso de verão europeu e a próxima corrida será o GP da Bélgica, no dia 26 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.