Vettel diz que Kers foi decisivo para conquista da pole

Sistema que transforma energia cinética em potência não foi usado em etapa anterior, na Austrália

Agência Estado

09 de abril de 2011 | 09h12

KUALA LUMPUR - O alemão Sebastian Vettel avaliou que não teria conquistado a pole position para o GP da Malásia de Fórmula 1 se o carro da Red Bull não contasse com o Kers - sistema de recuperação de energia cinética. O sistema não foi utilizado pela equipe austríaca no GP da Austrália - vencido por Vettel -, mas foi inserido para a prova deste fim de semana no RB7 por conta das longas retas do Autódromo Internacional de Sepang.

 

"Grandes agradecimentos aos caras da equipe, especialmente aqueles que trabalham com o Kers, eles trabalharam muito desde a Austrália. Se nós não tivéssemos isso hoje, não estaria sentado aqui agora [na entrevista coletiva dos três primeiros do grid], nem a mim nem Mark [Webber], então cumprimento os rapazes, é uma boa recompensa", afirmou.

 

Vettel admitiu que a vantagem da Red Bull não é tão confortável quanto foi na Austrália, quando, além de vencer, ele conquistou a pole. Por isso, comemorou muito a conquista do primeiro lugar no treino de classificação e exaltou a disputa acirrada com os ingleses Lewis Hamilton, que terminou em segundo, e Jenson Button, ambos da McLaren, que foi o quarto. Além disso, o alemão vinha tendo desempenho discreto na Malásia, ficando sempre atrás do companheiro Mark Webber nos treinos livres.

 

"Foi um fim de semana desafiador até a classificação hoje. Fiquei feliz com o carro, mas nós nunca realmente chegamos em um ritmo. Ontem não foi tão bom como esperávamos, mas nós sabíamos que o carro tinha velocidade, então o principal era continuar acreditando nele. Na classificação tudo funcionou imediatamente. Foi muito perto no final dos caras da McLaren, por isso estou feliz por ter conseguido a pole", disse.

 

Veja também:

linkVettel faz a pole na Malásia

video VÍDEO: Imagens do treino classificatório

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.