Vettel diz que objetivo da Ferrari ainda é se consolidar como 2ª força na F1

Sebastian Vettel tenta não se iludir com o resultado obtido no GP da Malásia. O alemão acredita que, apesar do triunfo em Sepang, a Ferrari ainda está atrás da Mercedes e precisa se consolidar como a segunda força do Mundial de Fórmula 1 antes de tentar superar os rivais Lewis Hamilton e Nico Rosberg no campeonato.

Estadão Conteúdo

10 de abril de 2015 | 15h09

"Nosso objetivo número 1 é permanecer atrás apenas da Mercedes. Temos que aceitar que eles estão muito fortes. No decorrer da temporada, vamos nos aproximando", afirmou Vettel, terceiro mais rápido na primeira sessão livre em Xangai e quarto no segundo treino. Hamilton liderou as duas atividades.

Apesar de correr próximo aos rivais da Mercedes, Vettel descartou a briga pela pole position. "Disputar a pole com a Mercedes? Eles foram muito fortes hoje. Para nós o mais importante hoje foi dar um passo à frente, ainda há algumas coisas que podemos melhorar", declarou.

Se à frente o foco é a Mercedes, atrás o alemão não se mostra preocupado com o avanço da Red Bull nesta sexta. "Se estou com medo da Red Bull? Não, hoje foi provavelmente o melhor desempenho deles neste ano em uma sexta-feira", disse, referindo-se à performance de Daniel Ricciardo. O australiano foi o terceiro mais rápido na segunda sessão, ficando logo à frente de Vettel, seu ex-companheiro de Red Bull.

Kimi Raikkonen, novo parceiro de Vettel, também manteve as esperanças na Ferrari de surpreender novamente a Mercedes. O finlandês foi o quarto melhor da sessão inicial e o segundo mais veloz do segundo treino, apesar de ter enfrentado problemas no freio no período da tarde em Xangai.

"Tivemos um problema, mas os mecânicos fizeram um bom trabalho e conseguiram consertar. Pude voltar à pista para completar nosso programa", afirmou Raikkonen, que evita fazer previsões sobre o treino classificatório deste sábado. "Ainda temos que melhorar algumas coisas. Se tudo certo, poderemos fazer nosso melhor treino", projetou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da ChinaVettelRaikkonen

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.