Vettel e Hamilton, sérias ameaças a Alonso

NICE - Com o GP de Cingapura, domingo, 14.º do campeonato, restam ainda sete etapas para o encerramento da temporada. Portanto, quem está atrás na classificação deve reagir já. É o caso da Red Bull, líder entre os construtores, mas com seus pilotos, o bicampeão do mundo, Sebastian Vettel, e Mark Webber, apenas na quarta e quinta colocações, com 140 e 132 pontos, diante de 179 do líder do Mundial, Fernando Alonso, da Ferrari.

Livio Oricchio, O Estado de S. Paulo

18 de setembro de 2012 | 14h55

Depois de abandonar a corrida de Monza, dia 9, Vettel afirmou ao Estado, para explicar a pouca competitividade: "Felizmente nas próximas três ou quatro provas não há grandes retas. Nosso maior problema é a falta de velocidade nas retas. Deveremos lutar pelas vitórias." O traçado de rua da etapa noturna do calendário se assemelha ao de Valência, na Espanha, onde este ano Vettel impôs impressionante vantagem aos concorrentes. Abandonou por quebra do alternador, o mesmo problema que o fez parar em Monza, mas até a entrada do safety car o alemão da Red Bull estava 25 segundos na frente do segundo colocado.

Além da provável volta da Red Bull à luta pelo primeiro lugar, Alonso vai enfrentar a equipe que mais evoluiu nas últimas três etapas, a McLaren. “Vencemos na Hungria, pista lenta, Spa, com curvas bem rápidas, e aqui na Itália, traçado mais veloz do ano. Mostramos que podemos ganhar em qualquer tipo de pista”, falou Lewis Hamilton, da McLaren, vice-líder do campeonato, com 142 pontos. Ele foi primeiro em Budapeste e Monza enquanto o companheiro, Jenson Button, na Bélgica.

Hamilton estava 62 pontos atrás do espanhol da Ferrari depois do GP da Alemanha. Alonso liderava com 154 e o inglês havia somado 92, quinto colocado. Hoje, após apenas três provas, o piloto da Ferrari continua líder, mas Hamilton já é segundo, com 37 pontos de diferença. Tirou 25 pontos em três corridas. "Lewis (Hamilton) é o meu adversário mais perigoso na luta pelo título", afirma Alonso.

Mas a Ferrari, claro, não está parada. Na entrevista de Monza, o espanhol disse: "Nós vamos estrear em Cingapura um pacote de mudanças no nosso carro que, espero, nos permita lutar melhor contra a McLaren." Não citou a Red Bull, porém como lembrou Vettel faz todo sentido vê-lo, junto de Webber, muito fortes nos 5.073 metros da pista asiática. O alemão ganhou a corrida do ano passado, seguido por Button, Webber, Alonso e Hamilton.

A prova representa outra oportunidade para Felipe Massa e Bruno Senna confirmarem sua evolução no campeonato e terem seus contratos estendidos por suas escuderias, Ferrari e Williams. Massa vem de um nono lugar na Hungria, quinto na Bélgica e quarto na Itália. Já Bruno somou pontos em quatro das seis últimas etapas.

Apesar de o GP de Cingapura ser na Ásia, a programação é noturna. Assim, o primeiro treino livre, sexta-feira, começa no horário de Brasília às 7 horas. A classificação, sábado, às 7 horas também, enquanto a largada da corrida de 61 voltas, domingo, será às 9 horas.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Velocidadef1fórmula 1VettelAlonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.