Jerome Miron/USA Today Sports
Jerome Miron/USA Today Sports

Vettel elogia Leclerc e diz que tem uma relação distante com o chefe da Ferrari

Em entrevista antes do último GP pela escuderia italiana, piloto alemão comenta sobre como isolamento foi estranho para a equipe e projeta próprio futuro

Redação, Estadão Conteúdo

10 de dezembro de 2020 | 22h26

Sebastian Vettel vive seus últimos momentos como piloto da Ferrari na Fórmula 1. Na próxima temporada, o alemão irá para a Aston Martin e sua vaga na escuderia italiana será ocupada pelo espanhol Carlos Sainz Jr. Antes de sua corrida final pela equipe, concedeu uma entrevista ao jornal italiano Corriere della Serra, na qual falou sobre sua temporada em 2020, elogiou o colega Charles Leclerc e comentou sobre o chefe ferrarista Mattia Binotto, entre outras coisas.

"Nunca me senti sozinho na Ferrari neste ano. Era uma situação estranha que nunca havia acontecido comigo. Isolar pessoas não é uma característica desta equipe, nem dos italianos", comentou.

Sobre Leclerc, Vettel fez boas previsões para o futuro dele. "É um talento jovem e estimulante. Um garoto muito que fará uma jornada. Está em um momento na carreira diferente do meu ou do de Kimi Raikkonen, mas demonstrará seu valor no longo prazo. Será na Ferrari, onde estará por um tempo, ou em outra equipe", projetou.

Já sobre Mattia Binotto, chefe da Ferrari, Vettel evitou fazer prognósticos. "Tratei com ele a primeira vez quando corria pela Toro Rosso. Era o responsável pelos motores que montávamos. Vivi de perto seu crescimento. Do departamento de motores, a diretor técnico e chefe de equipe. Nos respeitamos muito, mas entre nós nunca teve esse tipo de amor que está na base das relações de tipos diferentes. É um homem pragmático. O tempo nos dirá onde estará a Ferrari levada por ele", disse.

Sobre o que espera do futuro, Vettel não falou exclusivamente da sua carreira no automobilismo. "O futuro na F-1 é simples: o projeto com a Aston Martin, uma viagem emocionante para tentar chegar ao topo. Além disso, sei que estou em uma posição privilegiada. Ainda sou jovem e tenho muitas portas abertas para o futuro. Tenho três filhos, quero estar seguro que me ocuparei deles e fazê-los crescer com os valores corretos, adaptados a um mundo que está mudando. A esperança é manter uma mentalidade aberta e não ficar velho rápido demais", afirmou.

Vettel fará sua última corrida pela Ferrari neste domingo, no GP de Abu Dabi, no encerramento de uma temporada difícil para o piloto e para a escuderia. O alemão é o 13º entre 20 no Mundial de pilotos, e a escuderia italiana, a 6ª entre 10 no Mundial de Construtores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.