Andre Pichette/EFE
Andre Pichette/EFE

Vettel exibe cautela no Canadá e Raikkonen nega ter virado 2º piloto na Ferrari

Pilotos da Ferrari tentam evitar atrito após corrida polêmica da escuderia italiana em Mônaco

Estadão Conteúdo

08 de junho de 2017 | 23h02

Tido como principal favorito ao título deste Mundial de Fórmula 1 após ter vencido o GP de Mônaco e aberto 25 pontos de vantagem sobre Lewis Hamilton, vice-líder pela Mercedes, o alemão Sebastian Vettel exibiu um discurso cauteloso ao chegar a Montreal para a disputa do GP do Canadá, cujos primeiros treinos livres serão nesta sexta no circuito Gilles Villenueve.

O piloto da Ferrari evitou mostrar otimismo em excesso ao projetar a prova deste domingo, embora hoje a própria Mercedes admita que a equipe italiana é a favorita a conquistar novo triunfo na pista canadense.

"Obviamente, se olharmos para trás, podemos dizer que fizemos um bom trabalho até o momento, mas não há nada garantido de que simplesmente porque a última corrida foi boa, a próxima também vai ser. De modo que temos de atravessar tudo novamente e prestar atenção aos detalhes", ressaltou Vettel, nesta quinta-feira, em entrevista coletiva.

O alemão reconhece que o bom desempenho do seu carro o deixa com ótimas perspectivas para o GP da Canadá, mas repetiu que é preciso seguir trabalhando duro para dar continuidade ao sucesso obtido até aqui. "O carro esteve muito bem até agora e deve estar bem aqui também, mas, como disse antes, não há nenhuma garantia", afirmou.

O finlandês Kimi Raikkonen, por sua vez, negou que tenha passado a ser tratado pela Ferrari como segundo piloto da equipe após ser prejudicado nos boxes em uma troca de pneus ocorrida durante o GP de Mônaco que foi determinante para a vitória de Vettel. No caso, Raikkonen terminou em segundo lugar e não escondeu a cara fechada no pódio em Montecarlo, onde acabou levando a pior após um suposto jogo de equipe executado pela sua equipe.

O próprio Lewis Hamilton disse, após a prova em Mônaco, que a estratégia da Ferrari mostrou que o time de Maranello já teria optado por dar prioridade ao alemão no campeonato, mas Raikkonen rebateu que a sua própria expressão sisuda no pódio de Mônaco serve como resposta para quem acha que ele vê a equipe italiana já o colocando em segundo plano.

"Eu terminei em segundo e Seb venceu. Isso é ótimo para a equipe e não fiquei feliz porque queria ter vencido, nada mais. Se as pessoas pensam que eu deveria estar sorrindo, então eu vou sorrir quando eu tiver resultados que eu mesmo espero, simples assim. Acho que seria muito mais preocupante se eu estivesse feliz se terminasse em segundo, terceiro ou qualquer coisa. Ou seja, não me importo com o que as pessoas pensam", enfatizou o finlandês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.