Vettel expõe conflito: 'Webber não merecia ser ajudado'

Sebastian Vettel não poderia ser mais sincero nesta quinta-feira no Autódromo Internacional de Xangai, na primeira entrevista depois de desobedecer na Malásia as ordens de equipe. O alemão tricampeão do mundo falou com todas as letras: "Nunca tive a ajuda de Mark (Webber, companheiro de Red Bull). Em mais de uma ocasião, no passado, ele poderia ter ajudado a equipe e não o fez". Por conta da diferença de 11 horas no fuso horário entre Brasília e Xangai, começam nesta quinta-feira os treinos livres do GP da China: 23 horas em Brasília, 10 horas de sexta-feira na cidade chinesa.

LIVIO ORICCHIO, Agência Estado

11 de abril de 2013 | 10h09

Vettel sentenciou, para surpresa de muitos: "Se eu tivesse compreendido a ordem... Bem, eu estava mais rápido, meus pneus encontravam-se numa condição melhor e meu consumo de gasolina era menor. Não estou certo sobre o que faria. Haveria um conflito dentro de mim entre o que o time desejava e o que Mark merecia... Eu provavelmente faria o mesmo".

Na prova de Sepang, último dia 24, Vettel atacou Webber, contra a ordem do diretor da Red Bull, Christian Horner, o ultrapassou e venceu. No pódio, ainda, Webber reclamou publicamente do comportamento de Vettel, recriminado pela escuderia.

Vettel continuou falando sem policiamento, contra a lei formal da Fórmula 1. "Não me considero um pessoa má. Não penso que fiz nada de mau na Malásia. Pedi desculpa à equipe, importante para deixar as coisas claras, e depois conversei com eles." Segunda-feira, o mentor da Red Bull, o homem que mais manda na organização, o ex-piloto de Fórmula 1 Helmut Marko, afirmou que não mais haveria ordens de equipe entre Vettel e Webber. "Para mim não faz diferença alguma se há ou não ordens", disse o alemão.

O jovem piloto, um fenômeno de precocidade na história da competição, tricampeão aos 25 anos, não se intimidou em nenhum instante ao revelar a relação com Webber. "Eu já expliquei as razões de eu fazer o que fiz. Se você acredita em mim ou não é outra história. Você pode dizer que, indiretamente, estou devolvendo a falta de ajuda que tive de Mark. Não importa, disse a verdade. E a verdade nem sempre é o que as pessoas querem ouvir porque a controvérsia os ajuda enquanto a verdade não."

A exemplo do que disse em Sepang, Vettel mais uma vez confirmou não ter compreendido a mensagem de Horner, para não tentar a manobra, pois Webber já havia reduzido os giros do motor, também atendendo a orientação do time. Horner frontalmente contestou, já na Malásia, a explicação de Vettel: "Não há como ele não ter entendido, isso está fora de questão".

O episódio praticamente definiu o futuro de Webber na Red Bull: não deverá ter o seu contrato renovado para 2014. O mais curioso é que o australiano foi vítima da situação, pois reduziu a potência do motor para poupá-lo, bem como diminuiu o consumo de combustível por ter sido avisado de que Vettel não o atacaria. De repente, tudo mudou. O alemão agiu de acordo com sua vontade, apenas.

Agora os dois estão livres para lutar pelas primeiras colocações. É oficial. Resta saber como Horner e mesmo Marko vão reagir se, a exemplo da etapa na Malásia, o duelo colocar tudo a perder para a Red Bull, como no GP da Turquia de 2010. Os dois colidiram, causando o abandono de Vettel. Webber ainda conseguiu a terceira colocação.

Como é de se esperar que a Red Bull vá lutar pela pole position, neste sábado, e a pela vitória na corrida, domingo, já no fim de semana na China provavelmente será possível acompanhar essa luta particular. Webber tem consciência de que não deverá permanecer na escuderia austríaca e tem de mostrar trabalho para ser contratado por outra equipe potencialmente vencedora. Disputará um campeonato com ainda mais gana de ser campeão. Fortes emoções estão por vir na Fórmula 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.