Mark Thompson/Getty Images/AFP
Mark Thompson/Getty Images/AFP

Vettel lamenta 2ª posição no grid, mas confia em boa corrida nos EUA

'Estes centésimos estão sempre lá', diz o piloto da Ferrari, que ficou a apenas 0s012 da pole position

Redação, Estadão Conteúdo

02 de novembro de 2019 | 22h59

Sebastian Vettel esteve perto neste sábado de cravar a sétima pole position consecutiva da Ferrari na temporada, no GP dos Estados Unidos de Fórmula 1. O alemão fez uma disputa direta com o finlandês Valtteri Bottas ao longo do Q3, a terceira e última parte do treino, mas não conseguiu alcançar o rival da Mercedes.

"Foi bem empolgante porque eu estava muito perto. Eu achava que tinha mais alguma coisa na manga. Eu deixei algo para os trechos mais velozes da última tentativa, mas aí, quando cheguei nela, eu já estava um pouco abaixo", lamentou o tetracampeão mundial.

Vettel acabou ficando apenas 0s012 da pole position de Bottas. "Um centésimo, acho que foi o que faltou. Estes centésimos estão sempre lá. Mas no geral estou feliz. Vamos ver como será amanhã. Obviamente estou esperando por uma boa largada e por uma boa corrida", projetou o alemão da Ferrari.

Quarto no grid de largada, o companheiro de Vettel na equipe evitou lamentações. O monegasco Charles Leclerc apontou que foi o único que mostrou evolução em sua volta final no Q3.

"Acho que fui o único que melhorou o tempo na segunda volta do Q3, o que provavelmente mostra que eu estava sem ritmo na primeira tentativa e evolui um pouco tarde demais", avaliou o piloto.

Leclerc avisou que deve fazer uma largada agressiva no Circuito das Américas, famoso por ter uma subida antes da primeira curva, logo após a saída. "O trecho até a curva não é muito longo. E parte dele é em subida. Então, vamos ver o que acontece. A primeira volta será muito importante. Mas depois teremos muita disputa."

O GP dos Estados Unidos, antepenúltima etapa do campeonato, tem largada marcada para as 16h10 (horário de Brasília).

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.