Diego Azubel/ EFE
Diego Azubel/ EFE

Vettel lamenta 'azar' após segundo lugar, mas exalta desempenho na China

Alemão perde posições nos boxes e sai da briga pela vitória na segunda etapa da competição

Estadao Conteudo

09 de abril de 2017 | 13h54

O alemão Sebastian Vettel teve que se contentar com a segunda colocação do GP da China neste domingo. Depois de largar atrás de Lewis Hamilton, o piloto da Ferrari foi prejudicado pelo Safety Car na pista logo no início da prova e perdeu o rival de vista após ficar preso atrás de outros competidores, o que ele avaliou que o tirou da briga pela vitória na segunda etapa da Fórmula 1 em 2017.

"Obviamente, nós fomos um pouco azarado com o Safety Car logo no início, mas se ele não tivesse aparecido, nunca saberemos o que teria acontecido. Foi o suficiente? Eu acho que sim, é uma corrida longa e poderia ter um outro fim. Depois, tentei seguir o Lewis, mas sabia que seria difícil por causa da desvantagem", comentou.

Com o Safety Car na pista, Vettel e outros pilotos decidiram ir aos boxes para uma troca de pneus. Mas o alemão perdeu posições nos boxes e, no retorno, ficou preso no trânsito criado por outros competidores, incluindo seu companheiro de Ferrari, Kimi Raikkonen. Somente depois, conseguiu ultrapassar o finlandês e o australiano Daniel Ricciardo para, então, brigar com Max Verstappen pela segunda posição, enquanto Hamilton disparava na ponta.

"Não sei se teria sido diferente se não tivesse ficado atrás do Raikkonen. O Lewis estava rápido, fez uma boa prova, então não dá para entrar neste tipo de discussão. Hoje, terminamos em segundo, estou muito feliz com isso, foram bons pontos. Mais do que isso, e muito mais importante, foi ma corrida divertida para mim, tive que me superar", considerou.

Depois de vencer a etapa de abertura, na Austrália, Vettel agora está empatado com Hamilton na ponta da classificação, com 43 pontos. E por mais que tenha perdido a oportunidade de brigar pela vitória neste domingo, ele fez questão de celebrar seu desempenho na China.

"Eu me diverti por estar competindo com ele (Hamilton), mesmo que não lado a lado ou logo atrás dele, mas sim seis, oito segundos atrás. Saber que ele estava se esforçando também é uma boa notícia. Então, em termos de desafio, fomos iguais. Algumas vezes ele estava mais rápido, em outras eu estava. Mas, no geral, foi divertido", comentou.

Companheiro de Vettel na Ferrari, Raikkonen não teve tantos motivos para celebrar. Ele sofreu com os pneus durante boa parte da prova e não conseguiu lutar por um lugar no pódio, terminando somente na quinta colocação. "Não foi uma corrida forte. O carro até parecia bom com os pneus novos, mas sofremos e não conseguimos ser rápidos. Mas, ainda assim, acho que deveríamos ter conseguido um melhor resultado", lamentou.

Tudo o que sabemos sobre:
GP da ChinaFórmula 1Sebastian Vettel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.