Toru Takahashi/AP
Toru Takahashi/AP

Vettel minimiza desvantagem e mantém confiança na briga pelo título da F-1

Diferença de 34 pontos para o líder Lewis Hamilton não preocupa o piloto alemão, vice-líder do Mundial

Estadão Conteúdo

05 Outubro 2017 | 14h38

Foram dois grandes tropeços em sequência, nos GPs de Cingapura e da Malásia. No primeiro, uma batida na largada acabou com suas chances de somar pontos. No segundo, foi um problema no motor que o tirou da briga pela vitória. Nada disso, porém, abala o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, que mantém a confiança na luta pelo Mundial de Fórmula 1, apesar da desvantagem de 34 pontos.

+ Massa pede definição da Williams até Interlagos e minimiza teste com 'candidatos'

"Há sempre esperança. Claro que as duas corridas foram bem longe do ideal. Mas vamos continuar a trabalhar duro. Ninguém vai enterrar a cabeça na areia aqui. O que importa é que o nosso carro é bom", declarou Vettel, nesta quinta-feira, 5, às vésperas do GP do Japão, em Suzuka.

O piloto alemão garantiu que as decepções nas duas etapas passadas não abalaram sua confiança. "Eu nunca fui do tipo que fica olhando para trás, mesmo que tivéssemos feito duas grandes corridas. Eu sempre olho para a frente. Isso mantém a minha concentração", afirmou.

Em Cingapura, Vettel bateu na largada com o holandês Max Verstappen, da Red Bull, e o finlandês Kimi Raikkonen, seu companheiro de Ferrari. Mas, na Malásia, o problema foi mais grave: uma falha no motor da equipe impediu o alemão de completar volta rápida ainda no sábado. Por consequência, ele precisou largar em último na corrida.

A falha no motor, que atingiu também Raikkonen (que nem largou), trouxe preocupação para o time italiano. Vettel, contudo, diz confiar na unidade de potência da Ferrari. "Temos o pacote certo. E temos os ingredientes certos também. Agora temos que mostrar isso na pista", cobrou o piloto, que liderou o campeonato durante a maior parte da temporada. Agora, no entanto, está 34 pontos atrás do inglês Lewis Hamilton, da Mercedes.

Mais conteúdo sobre:
Ferrari EscuderiaFórmula 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.