Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Vettel projeta novo confronto direto com a Williams na Malásia

Alemão está empolgado com o bom desempenho da Ferrari

Estadão Conteúdo

27 Março 2015 | 16h13

Sebastian Vettel não escondeu a empolgação por conta do bom desempenho da Ferrari nos dois treinos livres que abriram o GP da Malásia de Fórmula 1, nesta sexta-feira. A equipe italiana surpreendeu na primeira sessão do dia ao registrar o segundo e o terceiro melhor tempo, atrás apenas do alemão Nico Rosberg. O finlandês Kimi Raikkonen ficou a 0,3 segundos do piloto da Mercedes, enquanto Vettel ficou a 0,8s.

"Neste momento, o astral está demais porque sabemos que estamos indo na direção certa", comentou Vettel, que não foi tão bem na segunda sessão - foi o 7º mais rápido. "A diferença para os caras lá da frente ainda é significativa. Mas este não é um problema só nosso, é de todos os times que não são a Mercedes."

Mais cauteloso, Vettel acredita que Ferrari e Williams vão brigar mais uma vez para ser a segunda força do grid na Malásia. "Sabemos que a disputa foi bem apertada com a Williams na Austrália e esperamos que isso aconteça de novo aqui. Nosso objetivo, claro, é nos estabelecermos como a segunda força do grid. E a partir daí seguir crescendo", afirmou.

Para tanto, o alemão se baseia no rendimento consistente da Ferrari durante todo o dia nesta sexta. "Acho que podemos ficar razoavelmente felizes com nossa performance hoje. Nos trajetos mais longos, fomos muito bem, tanto eu quanto Raikkonen. O rendimento foi sólido nos pneus duros e médios", comemorou o tetracampeão.

Na primeira batalha entre Ferrari e Williams, a equipe italiana levou a melhor em Melbourne. Vettel largou atrás de Felipe Massa, mas terminou na frente e garantiu o lugar no pódio. O brasileiro cruzou a linha de chegada logo atrás, na quarta colocação. No primeiro treino livre desta sexta, Valtteri Bottas foi o melhor da Williams, no 8º lugar. Na segunda sessão, ele foi o quinto e Massa, o sexto colocado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.